A conta de energia elétrica dos paranaenses vai pesar mais um pouco a partir do próximo mês. Segundo o jornal Valor Econômico, a Companhia Paranaense de Energia (Copel) deverá enviar até sábado (24), a solicitação de reajuste para a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). A presidência da Copel não informou sobre o quanto a conta de luz irá aumentar, mas estima-se que o valor pode chegar a 30%.

A Copel defendeu-se afirmando que não é a responsável pelo reajuste. O aumento na conta de luz virá da parte das tarifas onde são computados os custos não controlados pelas distribuidoras, entre eles a aquisição de megawatts-hora no mercado disponível (spot) para cobrir o déficit na carteira de contratos de longo prazo. Grande parte desse problemas decorrem, entre outros motivos, dos atrasos na entrada em operação de algumas usinas no país.

Para arcar com essas despesas, a Copel recebeu um total de R$ 883,8 milhões em subsídios tarifários no primeiro trimestre. Os recursos vieram tanto da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) como da Câmara de Comercialização de Energia (CCEE). Deste valor, R$ 831,8 milhões já foram contabilizados e R$ 52 milhões ainda vão entrar no segundo trimestre. Para o ano que vem, os consumidores podem esperar um reajuste na casa de dois dígitos novamente.

Além das despesas com aquisição de energia, a Copel ainda vai repassar neste ano, para seus consumidores, reajuste residual de 4,6%, que não foi dado no ano passado. Na época, o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), adiou o aumento em resposta às manifestações populares, que tomaram as ruas em junho.

A Copel registrou um prejuízo de R$ 14,6 milhões com o segmento de distribuição de energia no primeiro trimestre. Em compensação, as perdas foram mais que compensadas pelos lucros extraordinários obtidos na área de geração e transmissão. Nesse segmento, a estatal paranaense acumulou um ganho de R$ 431,6 milhões, 6,2% maior que o obtido em igual trimestre do ano passado. Se incluídos outros negócios, o lucro líquido da Copel totalizou R$ 583 milhões, o que representou um aumento de 46,3%.