Em um ano, o Paraná registrou a derrubada de 1.988 hectares de Mata Atlântica entre 2014 e 2015, mais que o dobro comparado ao período 2013-2014. Os dados são do Atlas de Remanescentes, divulgado nesta quarta-feira (25) pela Fundação SOS Mata Atlântica em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O estudo considera apenas derrubadas maiores que 3 hectares, não contabilizando o chamado desmate seletivo, em que somente as espécies mais rentáveis são cortadas.

Novamente, os municípios de Bituruna, com a derrubada de 113 hectares, e Coronel Domingos Soares, com 79 ha, aparecem entre os maiores desmatadores. De acordo com o estudo, o Paraná conseguiu frear a onda de desmatamento registrada em décadas passadas, que chegava a ordem de 30 mil hectares por ano. Esse volume expressivo de derrubada florestal nas duas décadas anteriores, colocou o Estado como recordista nacional de supressão de Mata Atlântica nos últimos 30 anos. No período, Santa Catarina, que tem números semelhantes dessa formação florestal, teve quase metade do desmatamento do Paraná. As informações serão encaminhadas ao Ministério Público.

A Secretaria de Estado do Meio Ambiente informou que uma série de medidas serão tomadas para frear o desmatamento. Equipes de fiscalização teriam começado, nos últimos dez dias, a verificar, em campo, se as autorizações de corte foram cumpridas nos termos estabelecidos (ou se mais vegetação foi suprimida).

Leia mais:

Municípios da região no mapa nacional do desmatamento

Palmas é o 3º maior desmatador do Paraná nos últimos 14 anos