A cruz no cemitério central Padre Arthur Vangeel onde os fiéis costumam acender velas em memórias aos familiares enterrados em outros municípios.
  • Compartilhe no Facebook

A cruz no cemitério central Padre Arthur Vangeel onde os fiéis costumam acender velas em memórias aos familiares enterrados em outros municípios.

O movimento nos cemitérios municipais de Francisco Beltrão já começou desde ontem. Segundo informações dos pedreiros, pintores e zeladores dos cemitérios, algumas pessoas resolveram antecipar a visita aos túmulos. Entretanto, como a maioria dos brasileiros, há aqueles que deixaram para a última hora, a organização e ornamentação das capelas e sepulturas. “Pessoal troca as flores, limpam os túmulos, ajeitam as capelinhas, reformam algumas cerâmicas quebradas e jogam tintas em alguns espaços que estão sem pinturas”, disse Olivino Poletto, conhecido como Neguinho, que se dedica há 22 anos ao trabalho no cemitério.

Durante todo o mês, a prefeitura de Francisco Beltrão realizou trabalho de melhorias no entorno do cemitério central, com intuito de melhorar a sinalização e limpeza do ambiente, pois sabe-se que muitos visitantes estarão na cidade em função do feriado de finados. “Fizemos limpeza dentro e fora do cemitério. Mas percebo que neste ano, as pessoas se preocuparam menos em arrumar os túmulos e capelas, deve ser por causa da crise”, disse Neguinho.

A estimativa de público ultrapassa as 10 mil pessoas durante todo o final de semana e até segunda-feira, quando efetivamente é o dia de finados. “Deve ter esse número de visitantes, isso porque, são 3 mil jazigos, capelas e túmulos no cemitério central”, enfatizou Neguinho.

Ontem, algumas pessoas aproveitaram para fazer os últimos ajustes e funcionários da prefeitura estavam executando a pintura da capela e trocando os vidros que estavam quebrados. “Até o final da tarde[ontem] vai ficar tudo certo para receber os visitantes”, disse Leandro Matos, que estava ajeitando a capela onde será rezado as missas.

Vendas

Oficialmente não foram divulgados quantos alvarás estavam liberados para vendedores ambulantes, pois ontem a prefeitura estava em recesso, para a comemoração do dia do funcionário público, lembrado no último dia 28, mas certamente existirão pessoas vendendo velas, flores, coroa de flores, além de bebidas e comidas. “Tem gente que ganha um bom dinheiro vendendo coisas nesse dia em frente ao cemitério”, disse Neguinho.

A data

De acordo com a história, na maior parte dos países ocidentais, dia 2 de novembro ocorre um dos rituais religiosos da tradição cristã católica, o dia de finados. A data tem por objetivo relembrar a memória dos mortos, daqueles que já se foram, bem como rezar pela alma deles.  O costume de rezar  pelos mortos foi inserido na liturgia  da igreja católica aos poucos, e o dia sucede o “Dia de todos os santos” (celebrado em 1º de novembro).

Túmulo de Maria Terezinha Galvão conhecida com Cigana. Ela é famosa por fazer milagres.
  • Compartilhe no Facebook

Túmulo de Maria Terezinha Galvão conhecida com Cigana. Ela é famosa por fazer milagres.

Túmulos mais visitados

Quadro e restos mortais do senhor Albino Mela que ficou famoso pelos trabalhos como curandeiro. É o túmulo mais visitado do cemitério beltronense.
  • Compartilhe no Facebook

Quadro e restos mortais do senhor Albino Mela que ficou famoso pelos trabalhos como curandeiro. É o túmulo mais visitado do cemitério beltronense.

Neguinho trabalha no cemitério central há 22 anos, por isso, tem muitas histórias para contar. Uma delas é de que muitas pessoas viajam quilômetros só para visitar o túmulo ou a capelinha do senhor Albino Mela que faleceu em 1999. “Conta a história que ele trabalhava como curandeiro, numa casa de atendimento na PR-483, Linha Gaúcha, próximo ao trecho conhecido como Bica D’ Água”, disse ele. Outro túmulo que recebe inúmeras visitas é de Maria Terezinha Galvão, conhecida como Ciganinha, que morreu em 1969. “Ela nasceu em 1954 e foi morta em 1969. Contaram pra nós que quem a matou foi o próprio marido. Muita gente visita o túmulo dela por acreditar que ela faz milagres”, contou Neguinho.

Natalino Portela fazendo os últimos ajustes no cemitério do Aeroporto para o dia de finados.
  • Compartilhe no Facebook

Natalino Portela fazendo os últimos ajustes no cemitério do Aeroporto para o dia de finados.

Cemitério municipal Aeroporto

Como o próprio nome diz, fica localizado próximo ao aeroporto de Francisco Beltrão e são mais de mil jazigos construídos. O responsável pelo local é o senhor Natalino Portela, que é funcionário da prefeitura, e cuida sozinho da limpeza, pintura e manutenção do cemitério.  Ele afirma que são esperados mais de 2 mil pessoas para o dia de finados. “Para não haver problemas, pedimos para as pessoas trazerem flores com areia, não com água, ou optar por artificiais. Outra recomendação é para queimar velas só na cruz central, pois o calor pode estourar vidros ou a vela cair na grama seca e gerar um incêndio. Mas o principal é que os pais tenham muita atenção com os filhos. Por favor, não deixem correr pelo cemitério, em cima dos túmulos. Esse local é de oração e silêncio”, disse Natalino.

Missa no dia de finados

7 horas – Padres da Concatedral – Cemitério Central

8 horas – Padres Paróquia Cristo Rei – Cemitério Aeroporto

9 horas – Padres da Paróquia São José – Cemitério Central

9h30 – Padres Paróquia Cristo Rei – Cemitério Jardim da Luz