Foi lançado na sexta-feira (18) o movimento “Menos tributos, mais respeito”, envolvendo 17 entidades de classe do setor produtivo e trabalhadores paranaenses.  Na pauta a mobilização contra a criação da CPMF e a desestruturação do Sistema S. Em nível de Estado, condenam o novo pacote de ajuste fiscal enviado à Assembleia Legislativa.

Conforme o presidente do Sistema Fecomércio- Sesc/Senac PR, Darci Piana, a elevação dos tributos afetará todos os setores da economia. Considerou que há claro desequilíbrio nas contas públicas e a solução não é o aumento dos impostos. “ Estamos sacrificando postos de trabalho, as vendas estão reduzindo e a nossa preocupação maior é com a insegurança que está por vir.

O  presidente da OAB-PR, Juliano Breda, enfatizou que este movimento é uma convocação à reflexão e um recado aos governantes sobre a necessidade de amplas reformas na administração pública. Breda destaca que “as medidas anunciadas são uma punição à população e demonstram negligência e ineficácia por parte dos governantes. Os equívocos administrativos e econômicos não foram causados pelos trabalhadores e empresários. Queremos respeito, diálogo e transparência nas contas públicas”.

Para o presidente do Sistema Fiep e coordenador do G7, Edson Campagnolo, a população chegou ao limite da tolerância com a austeridade dos governantes. “A ânsia por arrecadar mais não tem limites. Os governantes precisam enxugar a máquina pública, vender ativos, criar mecanismos para redução de despesas e não aumentar cada vez mais a carga tributária. Não podemos continuar abastecendo a ineficiência das estatais”, pontua Campagnolo.

Entre as próximas ações do movimento estão a audiência com o governador do Paraná, Beto Richa, e o estudo das propostas encaminhadas à Assembleia Legislativa do Paraná. Apoiam o movimento a OAB-PR; Fecomércio PR; FAEP; FIEP PR; Faciap; Fetranspar; Sistema Ocepar; Associação Comercial do Paraná; Sescap PR; CRECI PR; CRC PR; Movimento Pró-Paraná; Instituto dos Advogados do Paraná; Instituto Democracia e Liberdade, União Geral dos Trabalhadores; Fetiep e Sinduscom PR.