Atendendo pedido da Promotoria de Justiça da Comarca, o juiz da Vara Criminal de Marmeleiro, no sudoeste do Estado, decretou a prisão do médico Carlos Horácio Pontes Borges, de 49 anos, suspeito de molestar pacientes em seu consultório. O mandado de prisão foi cumprido na tarde desta terça-feira (10). Carlos foi detido enquanto atendida pacientes no Posto de Saúde de Renascença, distante cerca de 5 km de Marmeleiro, e aguarda decisão da justiça na 19ª SDP de Francisco Beltrão.

Conforme o Promotor de Justiça, Francisco de Carvalho Neto, as denúncias contra o médico foram recebidas pelo Ministério Público a cerca de 10 dias, de maneira anônima e imediatamente passaram a ser investigadas, resultando na localização de vítimas e testemunhas, as quais declararam a veracidade dos fatos.

A primeira ação do Ministério Público foi colher o depoimento de Carlos Horácio, na semana passada, bem como cumprir mandado de busca em seu consultório, onde foram encontrados equipamentos que não condizem com a atividade para a qual se destinam. Haviam câmeras instaladas no banheiro e na sala onde eram realizados os exames ginecológicos, com espelhos colocados em posições que permitem a observação das vítimas em vários ângulos.  Conforme a ação do Ministério Público, “tais elementos demonstram que a prática de crimes da mesma natureza narrados na denúncia faziam parte da rotina do investigado. Demonstram, assim, que o modus operandi do denunciado é se travestir de médico para a prática de crimes sexuais”.

Ainda, segundo as investigações do MP, as denúncias não são fatos isolados, uma vez que o médico havia recebido, em 2009, uma notificação do Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM) pela prática de atentado violento ao puder. Na época, o profissional atendia na cidade de Dois Vizinhos, também no sudoeste do Estado. Mas os crimes sexuais não são os únicos cometidos pelo médico. De acordo com a investigação do Ministério Público, outras vítimas afirmaram que o médico teria cobrado irregularmente pela realização de exames de ultrassom em procedimentos custeados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Mesmo com todos os indícios já obtidos e com a prisão do suspeito, o Ministério Público deve prosseguir com as investigações. Conforme o promotor, o MP pretende localizar outras possíveis vítimas do médico na região. A defesa de Carlos Horácio não foi encontrado ontem (10) para comentar sobre as acusações. Nessa quarta-feira (11), nossa reportagem tentará manter contato para ouvir a posição do suspeito em relação a todas as acusações.

Da redação RBJ, com informações do Ministério Público