A Polícia Civil do Paraná, com auxílio da polícia catarinense, continua o trabalho de investigação com intuito de descobrir quem matou o policial militar Andrei Zimmermann, 26 anos. O crime aconteceu na madrugada de sábado (18), por volta das 05 horas, na PR 180 em Marmeleiro, no sudoeste. O militar foi executado com um tiro de pistola calibre ponto 40, que atingiu a cabeça.

O crime foi praticado logo após o militar ter capotado o carro, um Fiat Pálio com placas de São Lourenço D´Oeste (SC), cidade onde trabalhava há três anos. As primeiras informações dão conta que Andrei teria discutido com algumas pessoas em um clube de dança na cidade de Francisco Beltrão.

A Polícia Civil ouviu nesta segunda-feira (20) algumas pessoas, mas ninguém repassou informações que possam auxiliar na investigação. Um homem suspeito pelo crime, morador em São Lourenço D´Oeste (SC), também prestou depoimento à Polícia Civil daquela cidade, mas negou qualquer envolvimento. Quanto a participação de um policial militar, essa hipótese está praticamente descartada pela Polícia Civil.

Na tarde desta segunda-feira (20), investigadores da delegacia de Marmeleiro estiveram no posto da Polícia Rodoviária Estadual onde está o carro da vítima. O objetivo foi colher evidências que possam ajudar na identificação dos envolvidos, ou envolvido, no crime. Fios de cabelo foram coletados do interior do veículo e serão encaminhados para exame de DNA, bem como a polícia aguarda laudo da Criminalística, que esteve no local do crime e recolheu a arma do policial (uma pistola calibre .40).

O delegado responsável pela investigação quer saber se os projéteis e as cápsulas deflagradas encontradas junto ao corpo foram disparados da arma do policial ou não.

Fotos: Reprodução Rede Massa (SBT)