A proposta pelo fim dos regimes aberto e semiaberto estará sendo apresentada nesta terça-feira e quarta-feira em Brasília por instituições que coletaram cerca de 100 mil assinaturas que pedem a extinção desses sistemas.De acordo com o movimento Paz Novo Hamburgo e a ONG Brasil Sem Grades, a cada ano, entre três e quatro mil presos incluídos nesses regimes fogem do sistema carcerário no Brasil.

Destaca que a cada ano, entre três e quatro mil presos do regime semiaberto fogem das instituições carcerárias no Brasil. Isso quer dizer que de cada mil condenações, 150 ficarão nas cadeias e outros 850 voltarão às ruas praticando novos delitos. No entendimento das proponentes, os regimes aberto e semiaberto incentivam a impunidade e a criminalidade no País.

Para a coordenadora de um dos organismos, Andrea Schneider os números da criminalidade não param de crescer e a sensação de total insegurança e falta de controle do Estado também. A cada dia a sociedade fica mais atrás das grades de suas casas e os criminosos ganham liberdade e poder.

Argumenta que a proposta não acontece apenas pelas fugas do sistema, mas pela necessidade de resposta à sociedade que vive com medo e aprisionada, pela falta de fiscalização dos presos que saem para trabalhar, pelos milhares de crimes que são cometidos por detentos do semiaberto, pela taxa elevada de reincidência que demonstra a inexistência de ressocialização e pela utilização da mão-de-obra dos detentos do semiaberto pelas facções criminosas. O presidente da ONG Brasil Sem Grades, Luiz Fernando Oderich, acredita que as medidas irão beneficiar a redução na criminalidade e oferecerão mais segurança à sociedade