Tributação, relações do trabalho, educação, eficiência do estado, segurança jurídica e burocracia. Estes foram os 5 eixos considerados mais importantes para a competitividade da indústria do Paraná. Os temas foram levantados por lideranças industriais da região sudoeste do estado, em Francisco Beltrão, durante a construção da Agenda da Indústria do Paraná, uma das ações promovidas pelo Sistema Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), durante a semana da indústria. Até o dia 26 de maio, uma comitiva da federação irá percorrer todas as regiões do estado com uma agenda de reuniões de trabalho e festividades pelo dia da indústria, comemorado em 25 de maio.

A partir de 12 pontos apresentados pelos Observatórios Sesi, Senai, IEL (relações do trabalho, tributação, infraestrutura e logística, ambiente macroeconômico, segurança jurídica e burocracia, eficiência do estado, desenvolvimento e mercados, financiamentos, inovação, produtividade, educação, sustentabilidade e responsabilidade social), cerca de 50 empresários discutiram sobre o que consideram necessário para o desenvolvimento do setor no Paraná e no Brasil. Durante a reunião de trabalho orientada por especialistas dos Observatórios, eles elegeram algumas ações que deverão compor a Agenda da Indústria. O documento terá as principais recomendações do setor produtivo de todo o estado para os candidatos que disputam uma vaga nas próximas eleições.

O presidente da Fiep, Edson Campagnolo, explica que a proposta deste caderno de priorizações é mostrar aos candidatos um posicionamento uniforme do setor industrial, com a indicação de ações necessárias para seu desenvolvimento. “Isso é democracia. Precisamos nos manifestar e levar aos candidatos nossas expectativas. Um candidato não pode atender apenas aos anseios de seu partido. Nós, seus eleitores, precisamos ser ouvidos e queremos que eles assumam um compromisso com nosso setor porque se a indústria vai bem, toda a sociedade vai bem. Não podemos perder a esperança”, pediu Campagnolo.

Edson Flessak, empresário do setor de energia, reconheceu a construção da Agenda da Indústria como um primeiro passo em direção a uma atitude mais ativa da classe empresarial em relação à política. “Essa é uma ação que pode contribuir com a qualificação de nossos representantes políticos. Quando contratamos profissionais para nossas empresas, escolhemos os melhores currículos, mas não temos o mesmo cuidado quando escolhemos nossos candidatos, principalmente nossos vereadores. Precisamos estar mais atentos”, alertou.

Para o empresário do setor moveleiro Mateus Augusto Comelli, de 25 anos, a  reunião, com trabalhos em grupo, rendeu um grande aprendizado. Para ele, é fundamental que a experiência dos empresários mais antigos seja compartilhada com os mais jovens. “Esta é uma união importante para que haja mudanças significativas. Precisamos de seus conhecimentos e vocês precisam de nossa energia e vontade de transformar esta realidade. Este encontro foi, para mim, mais rica que qualquer aula de um MBA”, comparou.

O presidente do Sindicato das Indústrias do Vestuário do Sudoeste (Sinvespar), Cláudio Latreille, lembrou que o setor do vestuário do Paraná precisa de desburocratização e inovação para poder competir em melhores condições com outros mercados. “A Fiep vem trabalhando com as expectativas do setor industrial há algum tempo. Mas até agora, não conseguimos abertura com o poder público. Eu acredito que este trabalho é um ponto de virada e de aproximação. E as urnas irão revelar quem nos ouviu e quer apoiar o desenvolvimento do Paraná”, concluiu Latreille.

Homenagens – No período da noite, o Sistema Fiep homenageou empresários de destaque da região. Durante festividade no Santa Fé Clube de Campo de Francisco Beltrão, os industriais Nelson Behne e Vilmar Luiz Dagios receberam as medalhas do Mérito Industrial, concedida anualmente pela entidade a personalidades que se destacaram pelo empreendedorismo, ação social e por seu envolvimento em causas de interesse da indústria.

O empresário Nelson Behne, fundador do Grupo Marel S/A, agradeceu à homenagem, lembrando é preciso ter persistência. “O presidente da Fiep também é do interior e conhece nossas dificuldades. Ter esse prêmio entregue aqui, em minha ‘casa’ torna esta homenagem ainda mais gratificante”, disse. O empresário começou com um marmoraria e hoje tem empresas nos setores moveleiro e de transporte.

Dono da  Inplasul, considerada uma das mais importantes empresas do ramo de produção de plásticos do sul do país, Vilmar Dagios recebeu a honraria com emoção. “Quando criei a Inplasul com meu irmão disse a ele que teríamos, um dia, uma grande empresa. Hoje ele já não está entre nós, para presenciar esta homenagem. Tivemos garra para não perder nenhuma oportunidade e conquistamos a grande empresa de nossos sonhos,” contou, emocionado. Criada em 1980, em Pato Branco, a Inplasul atende atualmente 10 estados brasileiros com embalagens de plástico flexível das mais variadas estruturas e finalidades.

Importante polo de geração de energia para o Paraná, o sudoeste também tem expressividade nos setores de Alimentos, Máquinas e Materiais Elétricos, Produtos de Metal e Móveis.

Responsável por 6% do total de estabelecimentos industriais do Paraná, o sudoeste tem como principais empregadores da indústria os setores de Vestuário e Acessórios (19,9%), Alimentos (19,2%) e Construção Civil (14,4%).

O sudoeste, além de ser minha região de origem, tem o PIB que mais cresceu nos últimos anos (37%). Para mim, é uma alegria trazer  a festividade de honra ao mérito para a região, para industriais que aprendi a admirar”, concluiu Campagnolo.