O que é pra ser um momento de extrema afetividade terminou em dor de “cabeça”, para um homem de 52 anos, morador de Palmas, sul do Paraná. Ao invés de optar por um exemplar do gênero feminino, optou por uma relação sexual solo com uma garrafa pet. Além da enfermidade já descrita o que mais sentiu dor foi seu órgão genital que ficou “anelado” no bico do artefato plástico.

Após uma noitada de bebedeira na casa de um amigo em uma propriedade rural distante cerca de 8 km da cidade, esse rapaz se aproveitou da fragilidade da garrafa pet e abusou sexualmente da mesma.

A conjunção “carno/plástica”, estranho ao ver da maioria, transformou-se em dor, dor na “cabeça de baixo”. A garrafa que o serviu ao longo da noite, ao amanhecer não o quis largar e em poucas horas de convivência se transformou em um verdadeiro e eterno enlace.

Após várias tentativas de se desfazer da “amada”, ela insistia em permanecer ali, firme e grudada. Aquele objeto simples e frágil após algumas horas se transformará em um verdadeiro mostro. O que fazer? Com a intensão de iniciar o ano novo sozinho o rapaz teve a brilhante ideia de usar o ferro de passar roupas para aquecer o plástico na tentativa de que pedisse divórcio do relacionamento conturbado.

O plástico derreteu queimando seu pênis, nada mais restava a não ser acionar a equipe do Samu 192 para auxiliar o rapaz na retirada do objeto. No local os profissionais imobilizaram a vítima e encaminharam até a unidade de pronto atendimento. Devido à gravidade do caso, foi transferido ao hospital.

Ao final dessa história e aliviado o rapaz culpou, claro, a “cachaça” por ter incentivado ele a prática sexual.