Excesso de passageiros, aeronave “pirata” sem autorização para fazer voos panorâmicos pagos e ainda com a certificação de aeronavegabilidade vencida.

Essas são algumas irregularidades detectadas no helicóptero que caiu no centro de eventos de Candói, no centro sul do Estado, onde acontecia a 14ª Edição da Festa nacional do Charque. Cinco pessoas estavam na aeronave, entre elas duas crianças, mas tiveram apenas ferimentos leves. O piloto Giovane Polli saiu ileso. (Relembre o caso)

De acordo com o regulador da Aviação Civil do Aeroporto Tancredo Tomas de Faria, de Guarapuava, Luiz Fernando Brustolin, o helicóptero de prefixo PT – YFD é particular com RAB (Registro de Aeronavegabilidade Brasileira) vencida há mais de um ano. Esse tipo de aeronave nem poderia fazer voos panorâmicos, essa é uma atribuição apenas de empresas de táxi aéreo, explica Brustolin.

Nesta segunda-feira, dia 1º, um vídeo postado nas redes sociais mostra o momento em que ocorre a queda da aeronave, poucos minutos após a decolagem no Centro de Eventos de Candói.

Veja: 

https://www.youtube.com/watch?v=2h3C15PQdUU#t=122