por Ivan Cezar Fochzato

 

O alto índice de gravidez na adolescência e a falta de pré-natal entre as gestantes são as duas principais causas de mortes de crianças menores de um ano em Palmas, Paraná. A informação foi dada pelo diretor do Departamento de Saúde, Aldemar Osternachk Pedroso, ao comentar a notícia publicada pelo Portal RBJ e Rádio Club AM da elevação do índice de mortalidade infantil em Palmas, no ano de 2011,  para a casa de dois dígitos, numa elevação de 33.5% por cento em relação a 2010.

 

Conforme o diretor, muitas adolescentes escondem o estado de gravidez da família e com isso também não realizam o acompanhamento necessário, o que vai refletir, em muitos casos, na morte da criança. Outro fator, é que muitas gestantes, mesmo  em fase adulta, despreocupam-se com o pré-natal e nos  cuidados básicos com a criança após o nascimento, podendo levar a morte  antes de completar um ano.

 

Ao considerar sobre o crescimento de 8.4 para 11.21 o índice de mortalidade, Osternack, salientou que ainda são números aceitáveis, pois estão abaixo do índice nacional de 22 óbitos por mil nascimentos e abaixo do estadual, de 12 óbitos por mil nascimentos.

 

Destacou o diretor que agora serão concentrados esforços na saúde pública no sentido de garantir a volta da taxa à casa de um dígito.Citou, por exemplo, o início das ações do Programa Mãe Paranaense como uma das políticas que poderá ajudar na redução do índice.Confira em  áudio.

 

LEIA MAIS –Mortalidade Infantil aumenta 33% em Palmas
Os dados preliminares foram divulgados pela 7º Regional de Saúde, sendo que em Palmas em 2011, o índice voltou a ser de dois dígitos.