Duas pessoas foram presas em Ponte Serrada, há 50 quilômetros de Palmas, sul do Paraná, sob suspeita de adulteração no leite processado em uma usina do município. A ação faz parte das operações “Leite Adulterado I” e “Leite Adulterado II”, desencadeadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) de Chapecó, visando cumprir 11 mandados de busca e apreensão em municípios das regiões oeste de Santa Catarina e noroeste do Rio Grande do Sul. Além disso, mais 18 pessoas foram presas nas cidades catarinenses de Lajeado Grande, Mondaí e no município gaúcho de Vista Alegre.

Cerca de 70 pessoas participaram da ação, que está relacionada às investigações de adulteração de leite e derivados em duas empresas catarinenses. Os trabalhos iniciaram há mais de cinco meses, em que foi constatada a utilização de substâncias como formol, soda cáustica e água oxigenada no alimento. Imagens apuradas pela Polícia, mostram funcionários lavando as mãos e braços no leite. Segundo o Ministério Público de Santa Catarina, as substâncias utilizadas serviam para recuperar o produto já estragado e aumentar o prazo de validade.

Na última semana, a Vigilância Sanitária catarinense havia determinado o recolhimento de um lote completo de uma das marcas investigadas, após ser comprovada a presença de formol.