Na última sexta-feira (10), os vereadores de Chopinzinho estiveram reunidos com o prefeito municipal, Álravo Scolaro, e a equipe técnica da prefeitura para debater sobre a reposição salarial ao funcionalismo público.

Os projetos de leis que tratam do reajuste entram em pauta na terça-feira (14), em sessão extraordinária a partir das 18 horas.

Reunião entre vereadores e administração municipal. Foto: Assessoria Câmara.
  • Compartilhe no Facebook

Reunião entre vereadores e administração municipal. Foto: Assessoria Câmara.

Segundo a equipe técnica da prefeitura formada pelos procuradores municipais, Thiago Voracoscki Santos e Márcio Stringari, e pelo secretário de administração Eduardo Pivatto, o principal motivo do reajuste não ser superior ao proposto de 2,28%, é que o município está no índice de alerta de gastos com a folha de pagamento, ou seja, 49,52%, muito próximo do índice prudencial que é de 51,3%, números que são definidos pelo Tribunal de Contas.

Caso esse índice extrapole o limite prudencial, atingindo a casa dos 54%, acarretará em uma série de medidas ainda mais severas para o município, obrigando inclusive, a fazer cortes de horas extras, programas e por fim, se houver a necessidade, cortes de pessoal.

De acordo com o prefeito, Álvaro Scolaro, de que a partir de julho, voltará a se reunir com representantes do Sindicato dos Servidores Público Municipais – SISMUCH, para discutir propostas que até lá devem ser elaboradas pelo sindicato e a possibilidade de um novo reajuste.

Projetos relacionados ao reajuste salarial do funcionalismo público:

Projetos de lei 11/2017 que concede revisão geral anual (data-base), aos vencimentos dos servidores públicos municipal em 2,28%.

Projeto de lei 12/2017, que concede revisão geral anual aos vencimentos dos empregados públicos de Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Endemias em 2,28%.