Por Larissa Mazaloti

 

 

Para os cristãos esta semana tem um significado diferente. É a Semana Santa, período em que são celebradas a paixão, morte e ressurreição de Cristo. Apesar da popularidade do domingo de Páscoa, os dias que antecedem são levados a sério até mesmo na alimentação. A carne vermelha é deixada de lado e o peixe passa a ser disputado nos mercados. 
 
 
Em Francisco Beltrão a Feira do Peixe Vivo já é tradição e atrai a população, além de oportunizar a comercialização para produtores locais. Neste ano a feira acontece desta terça-feira (3) até quinta-feira (5) na rua Pará, praça Darci Pasqualino Zancan (antiga Praça da AABB), diferente de outros anos em que era realizada no estacionamento de um supermercado.
 
 
Espécies como carpa, traíra, pacú, bagre, tilápia, jundiá e cat fish são comercializada durante a feira com preços que variam entre R$ 6 e R$ 8 o quilo. 
 
 
O apoio é da secretaria municipal de Agricultura e de Obras e Urbanismo.
 
 
Projeto Surubi
 
 
O produtor Claudecir Reolon, da Seção Progresso trabalha com o Projeto Surubi. Ele chegou cedinho com a equipe e todo o material necessário para manter os peixes vivos bem acondicionados a espera dos compradores. 
 
 
Reolon explica que o Surubi trata-se da produção de alevinos, ou seja, pequenos peixes de várias espécies que são comprados por produtores, que terminam a engorda e posteriormente a venda do peixe para o consumo na alimentação. Mas para esta época ele mesmo faz a engorda porque sabe que a procura é grande.
 
 
Os alevinos tem em média cinco centímetros. Reolon conta que produz e repassa grande quantidade para as prefeituras e para a Emater que distribuem para os produtores de peixe. Ele que já participa da feira há anos em Francisco Beltrão diz que o que predomina é o tamanho e não a espécie do peixe. “A turma sempre prefere os maiores, acham que nas espécies menores o peixe tem bastante espinho”, explica e cita a carpa e o pacu como espécies que, pelo tamanho, vendem mais.
 
 
A Feira do Peixe Vivo inicia por volta das 8h e vai até o início da noite.
 
 
Ouça o boletim