Com as temperaturas mais amenas, iniciam as doenças relacionadas ao sistema respiratório, porém, muitas vezes confundimos gripe com resfriado. A farmacêutica, Caroline Munhoz, comentou a diferença entre os dois problemas de saúde, que tem em comum muitos sintomas, mas consequências distintas, sendo o resfriado uma forma menos grave da doença.

  • Compartilhe no Facebook

(Foto: Julio Bueno)

A gripe geralmente é ocasionada pelo vírus do gênero influenza e é caracterizado por febre alta, uma resposta do organismo sobre a presença dessa substância, “geralmente o paciente logo vai manifestar dores pelo corpo, dor de garganta, dor de cabeça, mal-estar. Acontecem sensações em todo o corpo, não apenas no sistema respiratório”, destaca Caroline.

Após dois ou três dias, normalmente a febre vai se normalizando e surgem a tosse e coriza no nariz, que duram em torno de três a quatro dias. Ou seja, a gripe vai ter um período no nosso corpo de pelo menos 7 dias, por isso costumamos caracterizar o período de 7 a 14 dias.

Já o resfriado também é uma doença respiratória, normalmente causada pelos rinovírus e vai ficar mais delimitada, exatamente no nosso sistema respiratório.  “O paciente vai sentir desconforto no nariz, normalmente pela coriza e na garganta, podendo ter dores de garganta leves. O vírus não tem uma grande capacidade de ocasionar a doença no paciente”, informa.

  • Compartilhe no Facebook
Ambas têm a mesma forma de transmissão, que seria principalmente através do contato pessoa a pessoa, pois é através das gotículas que liberamos no momento do espirro e a saliva da nossa boca que o vírus consegue se proliferar. Entrar em contato com pessoas ou com objetos que estejam contaminados é a principal fonte de transmissão.

A gripe H1 N1 seria um terceiro tipo de gripe, que tem capacidade de ocasionar sintomas mais severos no paciente, como febre de 40 graus, dores musculares, no corpo, dores de garganta, “eles são mais intensos e o paciente tem uma facilidade maior de adquirir complicações como por exemplo a pneumonia, principalmente seu paciente for imunocomprometido”, alerta Caroline.

As principais dicas para prevenir e evitar a transmissão desses vírus são: lavar as mãos de forma correta, com água e sabão, usar somente álcool gel apenas quando não for possível lavar as mãos, evitar ambientes fechados e aglomerados. Ao espirrar ou tossir, usar o braço ou antebraço, caso use a mão, fazer a lavagem dela corretamente, imediatamente após, de modo a não estar contaminando outras pessoas.

Confira: