O forte calor e a falta de chuvas já comprometem a safra de soja em várias regiões do Paraná. Mesmo com a expectativa de uma safra recorde, em decorrência do aumento na área plantada, o rendimento das lavouras deverá ser menor.

Segundo levantamentos, os produtores que enfrentaram a estiagem durante o período de granação da soja, poderão ter perdas de até 50%. Diante desse cenário, alguns produtores têm antecipado a colheita. Conforme o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agrocultura e Abastecimento do Paraná (Seab), o tempo atípico afetou o ciclo da soja, fazendo com que a evolução das lavouras fosse acelerado.

Segundo o Deral, deverão ser colhidas 22,7 milhões de toneladas durante a safra de verão, volume 3% inferior ao mesmo período do ano passado quando foram colhidos 23,5 milhões de toneladas. Outro levantamento do departamento apontou que as condições das plantações pioraram entre o final de janeiro e inicio de fevereiro. Segundo o departamento, já foram colhidos 440 mil hectares de soja no Estado.

Outra cultura que também já começou a ser colhida é o milho. Cerca de 1% das lavouras de milho foram colhidas e a safra deve atingir 5,62 milhões de toneladas, volume 21% menor do que em igual período do ano passado, quando foram colhidos 7,15 milhões de toneladas.

A redução no volume de produção de milho da primeira safra deve-se à queda na área plantada de 24%, que caiu de 875.970 hectares, plantados na safra 12/13, para 670 mil hectares plantados na atual safra 2013/14, a menor área plantada com milho no Estado.

A colheita de milho iniciou na região sudoeste, onde se planta mais cedo para antecipar o plantio da segunda safra de grãos. As cotações do milho estão se sustentando em torno de R$ 19,50 a saca, valor que ainda é considerado atraente para o produtor.