Afastado do cargo desde 30 de abril por força da legislação eleitoral, o ex-secretário de saúde de Candói, Juarez Turco, está sendo alvo de uma ação civil pública, cuja autoria é o Ministério Público do Paraná, da Comarca de Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. Além dele, outras cinco pessoas são citadas na ação cuja denúncia foi acolhida pela Juíza de Direito da Comarca, Maria Serra Carvalho.

Além de acatar a denúncia, a magistrada decretou a indisponibilidade de bens dos investigados. No caso do ex-secretário Juarez Turco o montante é de R$ 12 mil (doze mil reais). Os demais citados no processo são o Hospital e Maternidade Parolin, representado Jane Parolin Melzer Paulo; Lourival Aparecido Pavão; Pedro Valdir Borges; Romulo Novochadlo Moura Jorge e Taiana do Carmo.

Apesar de citados, nenhum dos investigados sofreu qualquer tipo de condenação, tão pouco foi responsabilizado por ato de improbidade administrativa ou na esfera criminal. Após tomarem ciência da denúncia, terão agora prazo de 15 dias para apresentar defesa em relação às acusações.

Segundo a assessoria jurídica da Extra FM, depois de oferecida a defesa preliminar, o Juiz vai analisar os argumentos de cada um dos acusados e decidir pela instrução do processo ou seu arquivamento se entender que não houve crime. O departamento de jornalismo da Extra FM procurou o ex-secretário de saúde, Juarez Turco, para comentar o assunto. O mesmo disse que está tranquilo e que vai provar sua inocência.

A defesa do mesmo, representada pela procuradora Melissa Carrer, emitiu uma nota comentando as acusações.

Leia na íntegra

  • Compartilhe no Facebook

  • Compartilhe no Facebook