Foi realizada na manhã desta quinta-feira (05) em Palmas, sul do Paraná, uma exposição sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que está em construção para o ensino fundamental e médio. A apresentação da nova política pública ocorreu através de palestra do Coordenador-Geral do Ensino Fundamental do Ministério da Educação, Dr. Élsio José Corá.

O evento no Salão Nobre do CPEA foi organizado por professores e estudantes que participam do Projeto de Extensão do Instituto Federal do Paraná – Campus Palmas denominado: “Políticas de Gestão da Educação Básica: Desafios do Plano Nacional de Educação, desenvolvido em parceria com o Departamento de Educação do município. Participaram gestores, coordenadores, professores e estudantes da educação básica dos municípios paranaenses de Palmas, Clevelândia, Honório Serpa, Pato Branco, Mariópolis, Itapejara do Oeste, Mangueirinha e Passos Maia, no Oeste de Santa Catarina. Docentes, diretores e acadêmicos  de Instituições de Ensino Superior (IES) da região também acompanharam as discussões.

Ao RBJ, o coordenador destacou que ao propor esta nova política para o setor educacional do país, o MEC procura contemplar o que já estava previsto na Constituição de 1988; na Lei de Diretrizes de Bases da Educação (LDB/1996); nas Conferências Nacionais da Educação (CONAE) e no recentemente aprovado Plano Nacional de Educação(PNE).

Conforme Dr.Elsio Corá, a preocupação central é a busca pela igualdade no processo de aprendizagem entre todos os estudantes do país. “Acreditamos que a BNCC é um elemento agregador e uma referência para construção de currículos que garantirão aos estudante brasileiros de escolas públicas e privadas o direito a um conjunto de conhecimentos, bem como, potencializará estados e municípios em suas especificidades culturais e estruturais”, analisou Corá.

Destacou ainda que neste momento a tarefa é proporcionar uma ampla participação e debate na sociedade em torno desta nova proposta, a partir de um documento elaborado por uma centena de especialistas de todas as áreas do conhecimento. Conforme ele, é um texto base que está aberto a novas contribuição de professores, estudantes, secretarias estaduais e municipais de educação e também da sociedade civil organizada. “É um diálogo muito participativo. Até agora já temos mais de 45 mil inscrições no site da Base (http://basenacionalcomum.mec.gov.br) que poderão resultar num grande número de sugestões ao documento final”, informou.

Informou que toda a discussão e sugestões a serem colhidas até abril do próximo ano formarão um documento final será levado a avaliação do Conselho Nacional de Educação, com expectativa de início de implantação da BNCC nas escolas brasileiras já em 2017.