Alunos que participam do Jovens Empreendedores Primeiros Passos (JEPP), programa de educação empreendedora do Sebrae/PR, estavam colaborando com a comunidade e produzindo máscaras. Os estudantes do oitavo e nono anos do Colégio Estadual Telmo Octávio Muller, de Marmeleiro, trabalharam em sistema de escala, dois a cada dia, três manhãs por semana, orientados pela professora Marlene Cardoso Ghizzi, com a colaboração da também professora Juleide Maria Guindani Gehlen. A meta era produzir 300 máscaras, a serem entregues a 90 famílias que já recebem o kit-merenda no colégio.

Nas últimas semanas, com o crescimento do número de casos de coronavírus no município e Paraná, as atividades foram paralisadas. Até o momento, foram produzidas 60 máscaras, que foram destinadas às famílias que já recebem o kit merenda na escola. Na última quinta-feira (02), as professoras entregaram as máscaras, junto com a merenda.

Até a entrada de novas medidas restritivas, as atividades aconteciam de forma escalonada. Um dos alunos, Fernando Moro, era o operador da máquina de costura, que foi adquirida no ano passado, com o projeto Sacola do Saber. Tecidos doados por indústrias têxteis da região foram usados para as sacolas e os retalhos foram aproveitados para a confecção das máscaras. O colégio conta com duas máquinas de costura foram adquiridas com recursos do projeto, em 2019.

A programação inicial era que todos os 28 alunos das duas turmas B fossem envolvidos na ação, respeitando o calendário de atividades escolares e os protocolos de saúde. Como o tema dos livros do JEPP, neste ano, é o empreendedorismo social, a professora Marlene pensou em trabalhar questões relacionadas à pandemia de Covid-19.

“A ideia foi mostrar aos jovens que é preciso ajudar a comunidade. Que eles possam perceber a importância da solidariedade, além de outros comportamentos empreendedores, como comprometimento, qualidade (fazer bem feito) e persistência, entre outros”, reflete Marlene Cardoso Ghizzi.

Claudineia Cabral, consultora do Sebrae/PR, comenta que o programa de educação empreendedora pretende criar e disponibilizar alternativas metodológicas para estimular os comportamentos empreendedores nas crianças e jovens. A intenção é contribuir com a construção de um novo perfil de estudantes, pautado em um modelo de educação que favorece metodologias criativas, linguagem adequada e compromisso com a realidade local.

“É isso que a professora Marlene Cardoso Ghizzi, do Colégio Telmo Octavio Muller, estava fazendo com os alunos do JEPP. Durante o isolamento social, ela combinou a criatividade e a ação social para ajudar famílias carentes”, conclui Claudineia.

Fonte: Assessoria Sebrae