No final de junho, a fogueira que explodiu em uma festa junina em Osasco (SP) e resultou em cinco pessoas queimadas (entre elas o prefeito do município, Rogério Lins) ganhou repercussão nacional. Segundo o Corpo de Bombeiros paulista, a organização da festa junina de Osasco não tinha autorização para fazer fogueira e a Polícia Técnico-Científica ainda não divulgou os resultados da perícia. Felizmente, não houve mortes.

O acidente trouxe à tona os cuidados que os organizadores de eventos devem tomar e a importância dos responsáveis técnicos em exposições, feiras, shows e até mesmo festas juninas. Os profissionais de Engenharia estão diretamente ligados aos documentos que devem ser apresentados ao Corpo de Bombeiros. Projetos feitos de acordo com as normas técnicas podem prevenir ou minimizar riscos ao público e às equipes que trabalham nos eventos.

William Natanael Chagas, Engenheiro Eletricista, de Chopinzinho, é responsável técnico de uma empresa de eventos da região Sudoeste. Ele atua especificamente nos projetos elétricos para shows, com serviços de sonorização e iluminação. “Fazemos a análise de risco da área. Também é importante ter o aterramento adequado dos equipamentos, ainda mais que as estruturas são em alumínio, quase sempre, e dimensionar de forma correta o cabeamento”, explica Chagas.

O Engenheiro salienta que, se não forem feitas de forma correta, as instalações podem colocar em risco aqueles que estão trabalhando na montagem dos sistemas e as pessoas que participarão do evento. Faz parte da rotina observar uma série de requisitos estabelecidos pelo Corpo de Bombeiros quando da elaboração dos projetos, como rotas de fuga, saídas e luzes de emergência, e placas de sinalização. “Devagar, nossa região está tomando consciência da necessidade de contar com um especialista. As consultas técnicas proporcionam credibilidade e segurança aos organizadores de eventos”, observa William Chagas.

O Engenheiro Mecânico Juarez Reinaldo da Costa, de Pato Branco, atua na área há 31 anos com projetos de estruturas metálicas temporárias. A montagem de tendas é uma das atribuições frequentes. “A primeira ação, ao ser contratado, é consultar o Corpo de Bombeiros para verificar o que a legislação estabelece. Um dos principais problemas é que os contratantes, muitas vezes, querem tudo em cima da hora e não é assim que funciona”, observa Costa.

Na montagem das tendas, tão comuns em feiras, festas e eventos da região, o Engenheiro Mecânico verifica se o tecido é antichama e outros aspectos importantes, como a ancoragem das estruturas metálicas. “Verificamos se as estruturas estão presas ao solo corretamente, se não estão obstruindo saídas de emergência. A própria equipe de montagem deve ter profissionais registrados e qualificados para trabalhar em diversas condições, como em alturas. O importante é a segurança das pessoas que fazem o evento ou participam dele”, destaca Juarez da Costa.

O Engenheiro faz ainda um alerta aos organizadores de eventos da região. “Procurem o suporte de responsáveis técnicos qualificados para promover eventos que atendam às condições estabelecidas pelas normas e sejam aprovados pelo Corpo de Bombeiros”, finaliza da Costa.

Consultas
Quem pretende organizar festas e eventos, públicos ou particulares, deve contar com responsável técnico ou empresa registrada no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR). No site do Conselho (www.crea-pr.org.br), é possível consultar se os Engenheiros e/ou empresas de Engenharia estão devidamente registrados. É o primeiro passo para elaborar projetos adequados às normas e legislações vigentes. As estruturas temporárias de eventos são fiscalizadas pelo Crea-PR, para verificar a efetiva participação profissional.

 

Assessoria. Foto capa: Divulgação.