Por Larissa Mazaloti

 

Uma língua universal. Um idioma que não pertence a nenhum país, mas é de todas as nações. Este é o Esperanto. Criado há 125 anos na Polônia, o Esperanto surgiu como uma alternativa numa época em que o país estava dividido e o domínio russo pregava o “dividir para reinar” e cerca de quatro idiomas eram falados causando conflitos e ruídos na comunicação. O jovem médico Lázaro Luiz Zamenhof sentiu-se incomodado com o clima de ódio entre os poloneses e desafiou até mesmo a vontade do pai, ao insistir e dar forma a um novo idioma.

 

Em 1887, através de um pequeno livro em russo Zamenhof passou a divulgar o alfabeto, as 16 regras gramaticais, alguns textos de leitura, em prosa e em verso, e um vocabulário do Esperanto. Depois o mesmo livro teve edições em polonês, alemão e francês. Com a adesão das primeiras pessoas, foram criados clubes para preservar a nova língua.

 

Para o esperantista beltronense Régis de Castro, na região sudoeste o Esperanto é relativamente uma novidade, mas ele também comenta que por se tratar de uma língua, 125 anos ainda é pouco. Em Francisco Beltrão, Régis vai iniciar um curso na escola KS Idiomas na próxima segunda-feira (20), as 20h.

 

Segundo a diretora da KS Idiomas, Loni da Gloria Voigt Schlickmann, com a divulgação que Regis fez no calçadão, disponibilizando informações e materiais, dez pessoas já procuraram a escola. Ela conta que abriu espaço para o Esperanto por se tratar de algo diferente e ainda lembra que a mistura de características de diversas línguas trabalha bem o cérebro das pessoas. Outro fator importante para a escola é a possibilidade de participação em congressos, intercâmbios e outras atividades.

 

A KS tem escolas também em Pato Branco, São Lourenço do Oeste e Mariópolis. Régis, como todo esperantista, não recebe para ensinar (ERRATA: ESPERANTISTAS PODEM SIM, RECEBER VAOR EM DINHEIRO PARA ENSINAR E NÃO CONFORME ESTÁ NA MATÉRIA.). O valor total do curso que dura dois meses é de R$ 65 (R$ 50 da matrícula e R$ 15 do material didático).
A matrícula poderá ser feita também no primeiro dia de aula. Para maiores informações sobre o curso: 46 3524 1297.

 

Sobre a história do idioma Régis conta que o nome veio de uma assinatura de médico criador, contendo a expressão, que em português significa “doutor esperanto” e esperanto representa “aquele que tem esperança”.

 

O que Régis mais admira é o fato de ser uma língua que segundo ele, não é de ninguém e é de todos. “Nós esperantistas brasileiros falamos com japoneses esperantistas de uma forma muito clara”, exemplifica.

 

O léxico do Esperanto é composto por 60% de línguas latinas, 30% de línguas europeias e 10% de outras diversas línguas. Para os brasileiros, pelo português ser derivado do latim, existe uma facilidade significativa, informa o esperantista. Como qualquer outro idioma, o Esperanto, que é uma língua planejada, tem normas gramaticais empregadas no uso da língua na escrita e na fala.

 

“Costumo dizer que falar uma segunda língua nunca é fácil, mas quando comparo o Esperanto com o inglês ou o espanhol ou outra qualquer, o esperanto é mais fácil”, garante com base em uma estimativa de que a língua universal é de, de seis a dez vezes mais fácil de ser aprendido. E Régis ainda avalia que depois que aprendeu o Esperanto percebeu o quanto a língua portuguesa é difícil. “O que seria tão simples falar em Esperanto, é tão complicado no Português”, compara.

 

 

CLIQUE AQUI para ouvir o áudio