A recente repercussão social provocada pelos efeitos do “jogo” virtual Baleia Azul despertaram para uma série de ações preventivas e de orientações às famílias de crianças e adolescentes. Conforme publica o jornal A Folha do Sudoeste nesta quarta-feira (26), diversas escolas do município já estão tomando as providências no monitoramento e diálogo com os estudantes. Os colégios também enviam comunicados aos pais e promovem palestras para discutir como proteger jovens do Baleia Azul, desafio online que induz à automutilação e até ao suicídio.

Conforme o repórter, Luiz Marcondes, os Colégios Sebastião Paraná, Bom Jesus, Dom Carlos, Padre Ponciano, Alto da Glória, Monsenhor Eduardo, Sesi e HBC relataram suas experiências de trabalho, dentro e fora da sala de aula, para abordar a problemática.

O Colégio HBC relata que está trabalhando conteúdos para o desenvolvimento das competências socioemocionais, esclarecendo dúvidas e compartilhando angústias, medos e frustrações dos alunos através do Programa Escola da Inteligência. Além da aula semanal, todos os assuntos pertinentes ao jogo Baleia Azul são direcionados á Coordenação e Direção pedagógica para maior orientação aos alunos.

Na Escola Estadual Monsenhor Eduardo, a direção da escola, frente aos acontecimentos relacionados ao Jogo Baleia Azul, orientou professores para que observem atitudes estranhas em seus alunos, encaminhem à  equipe diretiva e pedagógica caso necessário. Uma palestra sobre tema  foi levado à Escola. O Colégio SESI no período de 26 a 28 de abril apresentou uma  videoconferência envolvendo pedagogos, docentes, alunos e, futuramente, os pais.

No Colégio Estadual Alto da Glória os professores realizaram  trabalho de conscientização nas salas de aulas, abordando o tema e explicando a questão do risco que envolve o contato com desconhecidos via redes sociais.

No Colégio Estadual Sebastião Paraná após um levantamento com os alunos, abordou o tema relativo ao Jogo Baleia Azul com a exposição de reportagens, entrevistas e depoimentos. Uma mensagem foi enviada aos pais que fiquem alertas, não só quanto ao jogo, mas também em relação ao uso abusivo da internet, orientando e sugerindo que controlem os acessos dos filhos.

Colégio Estadual Dom Carlos, além das atividades cotidianas de diálogo para resolução dos conflitos de relacionamento com os pais ou familiares, problemas com colegas e professores, baixa autoestima, estará desenvolvendo, através do  Rotaract, o tema “Valorização da Vida”.

Colégio Estadual Padre Ponciano, como medida preventiva, busca identificar os possíveis adolescentes que estão em situação de risco ou que demonstrem algum comportamento relação ao jogo. E, através de parcerias, está promovendo palestras com psicólogo, para esclarecer os alunos sobre os perigos e necessidade de filtrar todas s informações que os meios digitais disseminam.

O Colégio Bom Jesus, que em seu cotidiano escolar está sempre atento às temáticas e assuntos transversais, agora, desenvolve uma série de ações e mobilização educacional  com medidas de compreensão e prevenção às consequências do envolvimento com jogo da Baleia Azul.

A publicação cita que não foi confirmado nenhum caso de envolvimento com o jogo em Palmas, conforme relatou o Delegado da Polícia Civil de Palmas, Dr. Vyctor Hugo Guaita Grotti. Entretanto, na região há registro de um caso que está sendo investigando.