Num período de onze meses, Palmas, Sul do Paraná, registrou mais demissões do que contratações em seis, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Em novembro, foram 69 trabalhadores que entraram na fila do desemprego.

Ao contrário do registrado no inicio do ano, quando esteve entre os maiores geradores de emprego do país, Palmas, tradicionalmente, sofre com a queda no número de empregos com a finalização dos trabalhos na safra, principalmente nos pomares de maçã e nas plantações de batata, que movimentam mais de 1 mil trabalhadores no período de colheita e classificação.

Em janeiro, por exemplo, foram 365 novos trabalhadores empregados. Em fevereiro, mais 216 e em março somaram-se mais 34, colocando o município entre os 50 maiores empregadores do Brasil, totalizando 615 novos empregos. Desses, 553 vagas foram geradas pelo setor agropecuário, que agrega atividades silvícola, pecuária e extrativismo vegetal.

No acumulado de janeiro a novembro, Palmas tem um saldo positivo 173 empregos, período em que foram realizadas 5.111 contratações e 4.938 demissões.