Em entrevista a Onda Sul FM, de Francisco Beltrão, o juiz de Direito da Comarca de Capanema, Márcio Geron abordou vários temas relacionados a segurança pública no Sudoeste do Paraná, entre eles a instalação de uma Delegacia da Polícia Federal.  Recentemente o juiz, que é um dos nomes mais respeitados no Poder Judiciário do Sudoeste, esteve em Francisco Beltrão e palestrou a rotarianos sobre o tema. Segundo ele, a Polícia Federal na região não é luxo, mas uma necessidade da população.

O combate ao tráfico de drogas precisa ser reforçado no Sudoeste, por isso esse órgão de segurança se faz extremamente necessário para apoiar as ações que vem sendo desenvolvidas pelas policias Militar e Civil. A luta é antiga e, segundo o juiz, não deve ser bandeira somente da classe política, mas de toda sociedade. Ainda na entrevista, que teve duração de 19 minutos, o juiz abordou outros assuntos regionais.

Sempre com uma postura firme em suas opiniões, declarou em relação à criminalidade da região que esta ainda apresenta números elevados, porém enaltece o trabalho feito pelas policias Civil e Militar, que atuam com pouco efetivo, viaturas sucateadas e pouco armamento. Geron lembra ainda que, antes de criticar a polícia, a população precisa saber como realmente está a situação. “A população tem que saber se tem gente, se tem viatura, se tem tinta na impressora do delegado, tem que cobrar dos comandos, mas antes é preciso conhecer a realidade”, disse. Também se referiu a Penitenciária Estadual de Francisco Beltrão, declarando que a instalação foi maravilhosa, pois oportunizou um local adequado para abrigar os presos que até então ocupavam as delegacias da região mesmo após a condenação, o que era inadmissível.

Outro tema bastante comentando por Márcio Geron refere-se a bebida alcoólica que na sua concepção é a pior droga do País. “Os crimes não estão relacionados às drogas, em sua maioria são consequência da ingestão de bebida alcoólica. Nesses meus 15 ou 16 anos de Judiciário, não lembro ao certo, nunca vi uma pessoa envolvida em crime na minha frente que tenha dito eu comecei pelo crack, pela cocaína, sempre foi pela cerveja, foi sempre com um copo de cerveja em casa”, declarou.

O juiz também comemorou o maior rigor na lei seca, com endurecimento na punição de motoristas embriagados. Diz ter agradecido várias vezes, por exemplo, a Polícia Rodoviária Federal que tem um posto na BR 163, em Planalto, pelo uso constante do bafômetro em suas atividades diárias, o que evita a presença de motoristas embriagados nas rodovias da região. Esse exemplo também deve ser seguido pela Polícia Rodoviária Estadual, afirma Geron.

Ouça entrevista na íntegra no link abaixo: