Antonio Ribeiro, acusado pela morte de seu irmão Milton Godinho, afirma estar arrependido. O crime ocorreu na segunda-feira (11), por volta das 23h30, na casa onde os dois moravam em companhia da mãe de 86 anos e uma irmã, na Rua Bolívia, no Bairro Vila Nova.

Antonio foi preso em flagrante pouco depois de esfaquear o irmão. A Polícia Militar encontrou o mesmo dentro de casa ainda com a faca usada para golpear a vítima. Em entrevista concedida com exclusividade à Onda Sul FM, o acusado contou que há tempos vinha tendo desentendimentos com o irmão.

“Ele era acostumada a me desaforar, me chamava de “Nego Sujo, “Azarão” e “Descadeirado”, isso foi me irritando (……..) um dia cheguei a falar pra ele parar por que uma hora dessas ia dá morte, mas ele não me ouviu. As ameaças não era só pra mim, ele também judiava do meu irmão mais novo, minha irmã e até a mãe, que tem 86 anos, ele quis agredir um dia, mas não deixamos. Na segunda-feira eu tava na cidade tomei umas cachaças e quando cheguei em casa já começamos a discutir, daí ele disse que eu ai entrar pra ripa e pegou um pedaço de madeira, foi ai que peguei a faca e dei duas facadas nele que caiu no hora e eu fiquei na janela no meu corpo olhando pra ele até que chegou o socorro e a polícia, daí fui trazido pra cá (delegacia)”, contou.

Antonio, que trabalha como pedreiro, disse já ter sido preso por embriaguês, mas nunca pelo cometimento de crimes. Agora, foi autuado por homicídio simples, cuja pena pode variar de 6 a 20 anos de reclusão.

Durante a entrevista disse estar arrependido, mas como não tem volta pretende pagar pelo crime. Quanto a defesa, espera ser auxiliado por um advogado nomeado pelo Estado, pois não tem condições de pagar.