Em entrevista a rádio Difusora América na manhã desta segunda-feira (11), O Bispo da Diocese de Palmas e Francisco Beltrão, Dom José Antonio Peruzzo, comentou a decisão do Papa Bento XVI em renunciar o cargo.

 

Bento 16 anunciou sua renúncia durante um encontro de cardeais do Vaticano na manhã desta segunda-feira (11). O Santo Padre confirma que estará deixando o cargo no próximo dia 28 de fevereiro.

 

Em nota Bento XVI afirma estar consciente de sua decisão, “Por isso, sendo muito consciente da seriedade deste ato, com plena liberdade, declaro que renuncio ao Ministério de Bispo de Roma, sucessor de São Pedro, que me foi confiado por meio dos Cardeais em 19 de abril de 2005, de modo que, desde 28 de fevereiro de 2013, às 20 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro ficará vaga e deverá ser convocado, por meio de quem tem competências, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice”.

 

O Papa tem 85 anos e sofre de artrite. Bento XVI viria ao Brasil no mês de julho para participar da Jornada Mundial da Juventude, na qual o seu sucessor deve assumir o compromisso.

 

O último Papa a renunciar foi Gregório XII, em 1415.

 

Para Dom José, “o fato realmente surpreendeu o mundo católico, para mim também foi uma surpresa. Mas não uma surpresa decepcionante. É preciso lembrar o seguinte, embora raro, é a segunda vez na história da igreja que um papa renúncia. Bento XVI no seu escrito comunicando, ele explicou que aos 85 anos ele se sente muito fragilizado, e diante da responsabilidade de um pontífice e o peso da missão sentiu necessidade de que outro pontífice com mais condições assuma está grandiosa e exigente missão”.

 

 

Leia na íntegra o comunicado do Papa Bento 16:

 

“Queridísimos irmãos,

 

Convoquei-os a este Consistório, não só para as três causas de canonização, mas também para comunicar-vos uma decisão de grande importância para a vida da Igreja.

 

Após ter examinado perante Deus reiteradamente minha consciência, cheguei à certeza de que, pela idade avançada, já não tenho forças para exercer adequadamente o ministério petrino. Sou muito consciente que este ministério, por sua natureza espiritual, deve ser realizado não unicamente com obras e palavras, mas também e em não menor grau sofrendo e rezando.

 

No entanto, no mundo de hoje, sujeito a rápidas transformações e sacudido por questões de grande relevo para a vida da fé, para conduzir a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor tanto do corpo como do espírito, vigor que, nos últimos meses, diminuiu em mim de tal forma que eis de reconhecer minha incapacidade para exercer bem o ministério que me foi encomendado.

 

Por isso, sendo muito consciente da seriedade deste ato, com plena liberdade, declaro que renuncio ao Ministério de Bispo de Roma, sucessor de São Pedro, que me foi confiado por meio dos Cardeais em 19 de abril de 2005, de modo que, desde 28 de fevereiro de 2013, às 20 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro ficará vaga e deverá ser convocado, por meio de quem tem competências, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice.

 

Queridísimos irmãos, lhes dou as graças de coração por todo o amor e o trabalho com que levastes junto a mim o peso de meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos.

 

Agora, confiamos à Igreja o cuidado de seu Sumo Pastor, Nosso Senhor Jesus Cristo, e suplicamos a Maria, sua Mãe Santíssima, que assista com sua materna bondade os Cardeais a escolherem o novo Sumo Pontífice. Quanto ao que diz respeito a mim, também no futuro, gostaria de servir de todo coração à Santa Igreja de Deus com uma vida dedicada à oração.

 

Vaticano, 10 de fevereiro 2013.”