• Compartilhe no Facebook

Foto: Acervo Pessoal/Wilson Schveiczrski

A estação experimental do IAPAR (Instituto Agronômico do Paraná) de Palmas, Sul do Estado, criada em 1976, poderá ser desativada, a partir do projeto de fusão de órgãos, criando uma nova empresa de desenvolvimento rural. A possibilidade de fechamento da unidade palmense foi manifestada pelo diretor de pesquisa do IAPAR, Rafael Fuentes, durante uma reunião gerencial realizada no final da manhã de quarta-feira (10), em Londrina, no Norte paranaense.

O assunto havia sido antecipado pelo Departamento de Jornalismo da Rádio Club/RBJ ainda na manhã de quarta-feira, o que confirmou-se na sequência com a declaração da diretoria do IAPAR. Conforme a proposta do governo estadual, buscando a modernização do SEAGRI (Sistema Estadual de Agricultura), com o Instituto Agronômico incorporando a Emater (Empresa Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural), a Codapar (Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná) e o CPRA (Centro Paranaense de Referência em Agroecologia).

  • Compartilhe no Facebook

Possibilidade de fechamento da unidade palmense foi manifestada pelo Diretor de Pesquisa, Rafael Fuentes

Durante a manhã de ontem, a cúpula da Secretaria da Agricultura do Estado, durante participação na ExpoLondrina, apresentou essa proposta de fusões ao setor produtivo do Norte do Paraná. Na sequência, o projeto foi apresentado a servidores de carreira do IAPAR, durante a reunião interna, que foi transmitida via Internet para as demais unidades do instituto.

Ao ser questionado sobre a continuidade dos programas de pesquisa e eventuais mudanças na estrutura matricial do órgão, Fuentes explicou que o número de áreas e programas de pesquisa serão rediscutidos, com a redução de estações experimentais. “Existe essa ideia, sim. Não é uma coisa nova, algumas delas já são candidatas a desativação há mais de oito anos. Faltou decisão gerencial e administrativa para que isso ocorresse. Num plano inicial nós estamos com sinal verde para desativar (as estações de) Ibiporã, Joaquim Távora, Umuarama e Palmas”, revelou, destacando ainda que outras unidades podem entrar na lista em uma segunda oportunidade.