O deputado estadual Nelson Luersen (PDT) apresentou, na terça-feira (10) requerimento solicitando ao Governo do Estado a inclusão das 399 APAEs no projeto que transforma escolas municipais em unidades geradoras de energia fotovoltaica.

“As APAEs atuam paralelamente às ações governamentais, recebendo apoio oficial do governo mas, principalmente pela força das pessoas diretamente envolvidas como pais e amigos de pessoas com deficiência. Estas pessoas fazem um trabalho maravilhoso que tornam as próprias APAES especiais”, argumentou o parlamentar.

Nelson citou o exemplo da APAE do município de Capitão Leônidas Marques, na Região Oeste do Paraná, que implantou as placas fotovoltaicas e diminuiu o custo com energia de R$ 3 mil mensais para R$ 800 reais. “A economia é de R$ 26 mil por ano e em pouco tempo vai pagar os investimentos”, ressaltou.

O projeto 
Lançado no dia 03 de setembro, o projeto é voltado para a produção e gestão de energia elétrica sustentável. Formatado através de uma parceria entre o Serviço Social Autônomo (Paranacidade), o Green Building Council Brasil (GBC BR) e a Fomento Paraná, visa transformar as Escolas Municipais de todo o Estado em geradoras de energia elétrica fotovoltaica e qualificá-las para alcançar a condição de consumo zero de energia de origem externa. O objetivo é levar o benefício a todas as cerca de 4.000 escolas existentes nos 399 municípios paranaenses. Na primeira fase, o alvo são 180 unidades escolares de seis municípios.

Implantação 
O processo terá início com a Companhia Paranaense de Energia Elétrica (COPEL) que, pelo seu Programa de Eficiência Energética, vai viabilizar a análise das necessidades de energia de cada unidade e a substituição dos elementos atuais por alternativas mais econômicas, como lâmpadas LED, ou promover adequações nos sistemas de ar condicionado. Após o consumo mínimo ser alcançado, começará a elaboração do Projeto para a Geração de Energia Fotovoltaica, pelo Green Building Council Brasil, sob encomenda das Prefeituras. Com o projeto, o Poder Municipal encaminhará, via SEDU, a solicitação de recursos à Fomento Paraná. Caberá ao Paranacidade o encaminhamento, apoio técnico e fiscalização de todo o processo. Ao final, o GBC BR fará a certificação da economia alcançada

Fonte: Assessoria Alep