Por Evandro Artuzi
A crise no setor avícola foi tema de reunião conjunta entre o Bloco Parlamentar da Agricultura Familiar, o Bloco Agropecuário, a Frente Parlamentar do Cooperativismo, as comissões técnicas de Agricultura e de Indústria e Comércio do Legislativo estadual, com representantes do Governo do Estado, Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e lideranças sindicais, na manhã desta segunda-feira (10), na Assembleia Legislativa.

 

Os parlamentares e as lideranças pretendem agora elaborar um documento para garantir melhorias urgentes ao setor, que será encaminhado ao governo federal. A compensação do ICMS, o alongamento nos prazos de financiamentos, a fixação de juros mais baixos e a possibilidade de desoneração da folha de pagamentos poderão minimizar os prejuízos dos abatedores e também dos criadores integrados de aves.

 

Em entrevista à Onda Sul FM, nesta terça-feira (11/12), o deputado estadual Nelson Luersen (PDT) lembrou que há tempos deputados e entidades vem se mobilizando para resolver, ou pelo menos amenizar a situação dos avicultores do Paraná. Segundo ele, muitos municípios dependem da avicultura, entre eles São João, Francisco Beltrão, Dois Vizinhos e Capanema, todos no Sudoeste que possuem unidades de abate e mantém milhares de funcionários.

 

Dentro das discussões também se busca uma solução para a crise do frigorifico Diplomata que tem várias unidades no Paraná, uma delas em Capanema, no sudoeste, com mais de mil funcionários que correm o risco de ficar sem trabalho. Luersen lembrou que o proprietário da empresa, o deputado federal Alfredo Kaeffer (PSDB) manteve contato com os parlamentares estaduais e está proposto a resolver toda a situação sem prejudicar mais os integrados e funcionários. Entre as propostas para resolver o imbróglio está o repasse da unidade para outra empresa. Uma das interessadas em assumir a Diplomata seria a Aurora, de Santa Catarina.

 

Aumento de taxas em cartórios
Outro tema comentado durante a entrevista foi à mensagem enviada pelo Tribunal de Justiça à Alep (Assembleia Legislativa) propondo aumento nas taxas cobradas pelos cartórios Paranaenses. Um exemplo citado pelo deputado é o valor cobrado de um casal para uma união estável que hoje gira em torno de R$ 80,00 passaria para mais de R$ 200,00. Os valores são considerados abusivos e muitos deputados já se manifestaram contrários, inclusive o presidente da Alep, que na segunda-feira (10) recebeu o presidente da OAB Paraná. Luersen também se posiciona contrário aos valores apresentados.