Grupo de mulheres participantes do curso / Foto: Francione Pruch
  • Compartilhe no Facebook

Grupo de mulheres participantes do curso / Foto: Francione Pruch

Quem nunca ouviu falar de parteiras, ou quando está com a garganta inflamada escutou sugestões para fazer um chá de gengibre? Talvez esses assuntos não sejam tão falados no dia a dia. Mas essa foi a proposta do curso “Saberes das Parteiras Tradicionais” promovido pela Cresol de Dois Vizinhos, que contou com a participação de 40 mulheres.

O curso foi ministrado por Adriana Possa, de Curitiba. Na oportunidade compartilhou conhecimento e métodos que nossos antepassados utilizavam. Mas que hoje é mais tão comum. “Hoje são 60 mil parteiras que atuam no Brasil, elas atendem aproximadamente 350 mil partos por ano. Então, estamos trazendo um pouco do nosso aprendizado, vivência”.

Segundo Adriana, as pessoas devem olhar para a horta e encontrara ali sua farmácia natural. “É basicamente entender que a natureza oferece tudo o que a gente precisa. As plantas são grandes aliadas para nossa saúde”.

O curso foi disponibilizado pela Cresol de Dois Vizinhos e faz parte do programa Gênero e Geração, o qual debate diferentes temáticas todos os meses, segundo explica o gerente da unidade, Edemar Vodzicki. “Hoje temos a oportunidade de realizar mais uma etapa na unidade. O programa consiste em reunir mulheres agricultoras, cooperadas ou não. O intuito é levar a informação, capacitação”.

Durante a formação que aconteceu na quinta-feira, 31 de agosto, pela manhã e tarde foi trabalhado a alimentação, chás e plantas.

Atenta a cada explicação, a Nutricionista Andressa Bez aprimorou os conhecimentos através do curso. Ela teve filho recentemente e entende a importância de uma boa alimentação, principiante com produtos naturais. “Tem mães que não conseguem se alimentar adequadamente, não comem por causa dos enjoos, vomitam, faz uso de muitos medicamentos, por isso é importante ter conhecimento sobre uma alimentação equilibrada”.

Com o passar dos anos, o número de parteiras no Brasil diminuiu. São raras as cidades onde tenha uma mulher que desenvolva essa atividade. A jovem Ana Claudia Macagnan é bisneta de parteira, e no curso ela conheceu pessoas que nasceram com auxílio da bisavó. “É muito gratificante saber que na minha história teve uma pessoa que pôs tanta gente no mundo. Estava conversando na roda de mulheres, uma relatou que veio ao mundo através da minha bisavó”.

Ana pretende ter filhos e o sonho dela é fazer parto natural, “minha mãe teve dois filhos, mas não teve dor de parto, foi cesariana. Futuramente eu pretendo ter parto normal”.