Servidores dos Correios paralisaram totalmente as atividades nesta quarta-feira(04) seguindo o movimento de greve nacional da categoria em campanha para evitar perdas salariais e a privatização da empresa.A adesão dos servidores de Palmas à paralisação iniciou ainda no dia 27 de setembro, mas a agência estava funcionando em ritmo lento pelo gestor da unidade.

A paralisação total é somente no dia de hoje, como vigília à votação do dissídio da categoria pelo Tribunal Superior  do Trabalho(TST) às 16h00, em Brasília. “Sabemos que a paralisação total é prejudicial aos usuários mas esperamos que a população compreenda nossa situação”, disse Lucas Borella, que indicado pelos demais servidores para pronunciar-se salientando que se ocorrer a privatização dos Correios, como quer o governo, será muito pior.

O movimento local segue a pauta nacional da categoria que é contrária a pressão para a adesão ao plano de demissão voluntária; ameaça de demissão motivada com alegação da crise;  ameaça de privatização;  corte de investimentos em todo o país; falta de concurso público; redução no número de funcionários; mudanças no plano de saúde e suspensão das férias para todos os trabalhadores, exceto para aqueles que já estão com férias vencidas.