Palmas que foi pioneira na geração de energia através dos ventos, poderá ter ampliada a sua capacidade de produção, a exemplo do que ocorre com o vizinho município de Agua Doce, nos mesmos campos de Palmas, onde estão instaladas  mais de 100 torres, atualmente.

A perspectiva veio a partir de uma parceria estabelecida entre a Companhia Paranaense de Energia – Copel e a Weg Equipamentos Elétricos para a implementação de um novo parque eólico no município.  Apesar de não ter sido divulgado qualquer detalhe  sobre o projeto, a informação é que os  aerogeradores  que serão implantados terão potência máxima de 2,1 megawatts (MW), praticamente a capacidade gerada de forma conjunta pelos 5 geradores, implantados ainda em 1998.

 O Parque  de Palmas foi a primeira eólica da região sul do Brasil. A montagem de seus cinco aerogeradores foi feita no tempo recorde de uma semana, e entrou em operação em fevereiro de 1999. Foi implantado pela Centrais Eólicas do Paraná, da qual a Copel participava, inicialmente, com 30%. Em 2008 a Copel adquiriu 100% do controle e janeiro de 2012, a Usina de Palmas passou efetivamente a fazer parte do parque gerador da Copel ocasião em que a Aneel aprovou a reversão da concessão para a Copel Geração S.A.

O presidente da Copel, Lindolfo Zimmer, ainda em 2011  já fazia referência a investimentos nesta fonte de energia, que poderia abastecer 40% do estado do Paraná e  conforme medições divulgadas pela própria Copel, a produção de energia eólica pode  chegar a 3.375 megawatts,  conforme o Mapa do Potencial Eólico do Paraná, através do Projeto Ventar

Além do novo projeto em Palmas,  a Copel obteve do Conselho Administrativo de Defesa Econômica(CADE) a autorização para aquisição de Parques Eólicos instalados na região Nordeste do Brasil.A transação envolve os parques eólicos Euros IV, Asa Branca I, II e III, Santa Maria, Santa Helena e Santo Uriel, todos no Rio Grande do Norte, com capacidade instalada somada de 183,6 megawatts.