Começou hoje o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda 2019. Os contribuintes têm até o dia 30 de abril para fazer a declaração e enviar os dados à Receita Federal. O Contabilista, Uildemar Uliana, comenta quem são as pessoas que devem fazer a entrega dessa declaração e como devem proceder a respeito.

Entre as principais mudanças para 2019, estão algumas obrigatoriedades quanto ao CPF, “no ano anterior algumas idades não precisavam declarar, mas a partir desse ano, todos os dependentes residentes no país, tem que ter CPF e ser colocado na declaração, é um item obrigatório”, destaca.

Em relação a ficha de bens e direitos, em 2018 iniciou-se um trabalho para detalhar as informações, por exemplo numa escritura, colocar o número da matrícula, a metragem do lote, entre outros. Mas isso está sendo facultativo, se a pessoa optar por colocar as informações, pode.

  • Compartilhe no Facebook

(Imagem Ilustrativa)

 

Quem precisa realizar a declaração:

  • Quem teve renda em 2018 a partir de R$ 28.559,70
  • Quem teve com atividade rural renda bruta de R$ 142.798,50
  • Quem teve ganho de capital no ano 2018
  • Quem pretende compensar prejuízo da atividade rural de 2018
  • Quem teve direitos de posse, propriedades e bens até 31 de dezembro acima de R$ 300 mil
  • Quem passou à condição de residente no Brasil até 31 de dezembro

Segundo o contabilista, as dificuldades estão com os erros repassados para a receita, “as pessoas não se atêm muitas vezes a fazer o caixa da declaração ou esquecem de declarar uma fonte pagadora”. A normativa é clara e não permite que haja alteração do valor do bem, “a não ser que realize uma reforma, ampliação, algo nesse sentido, desde que tenha documento idôneo para fazer isso. Quando as pessoas fazem a declaração em casa, no vizinho ou parente, aumentam o valore do bem e assim, vão cair na malha fina e ter que se explicar com a receita”.

Para pedir abatimento na declaração a partir de despesas médicas ou educacionais, é necessária comprovação, “em caso de empresas, solicitar uma nota fiscal e no caso de pessoa física, um recibo com dados de quem está pagando e quem está recebendo”.

Em casos de dúvidas para fazer uma declaração completa ou simplificada, basta utilizar o próprio sistema, como Uildemar esclarece: “na simplificada adotar os 20% de redução que o próprio sistema oferece” e para a completa citar todas as despesas médicas, dentista, escola e lançar dentro do sistema, “ele vai dar o cálculo e dizer se a despesa que eu comprovo é maior ou menor que a redução de 20%” e finaliza orientando, “para você que necessita realizar a declaração do Imposto de Renda, não deixe para a última hora”.

Confira a entrevista na íntegra: