Um impasse fez que funcionários públicos da prefeitura de Francisco Beltrão, não recebessem as horas extras referentes ao mês de novembro e o terço de férias dos professores. Na segunda-feira (26) alguns trabalhadores manifestaram pelas mídias sociais a indignação de não encontrar parte do salário depositado na conta.

Em relato a Rádio Onda Sul FM, a funcionária de Serviços Gerais Lenira da Rosa disse, “tenho 26 anos de zeladora, é a primeira vez que acontece isso. Eu não gosto de fazer hora extra porque eu sei que no final de mandato de prefeito dá nisso. Mas a diretora me pediu com carinho e eu não disse não”.

A falta do pagamento pegou muitos trabalhadores de surpresa, alguns já tinham comprometido esse dinheiro. Segundo o Secretário Municipal de Administração, Clécio Luiz Menegotto, o corte nas horas extras estava previsto há 60 dias, “a partir do mês de outubro, prevendo as dificuldades econômicas, já havíamos determinado que não fosse mais feitas horas extras e que foi autorizado apenas alguns setores a fazer hora extra como coleta de lixo, motorista de ambulância, ônibus”.

A falta de pagamento, segundo explicou Menegotto ocorreu devido ao envio de listas dos funcionários que trabalharam no decorrer do mês. “Esse mês como ouve uma seleção teve alguns contratempos e alguns funcionários deixaram de receber. Mas imediatamente foi corrigido esse problema e dado a ordem ao RH (Recursos Humanos) para emprenhar e pagar essas horas extras que estavam autorizadas a serem feitas”.

Referente ao terço de férias dos professores a prefeitura espera receber da União o dinheiro das repatriações, caso chegue antes do dia 30, o direito dos educadores serão pagos, caso contrário fica para a primeira semana de 2017. “Manteremos todos os pagamentos em dia, caso pelo motivo operacional fique algum pagamento para ser realizado no início do ano, ficará o recurso garantido e depositado”. Salienta o Secretário.