A Comissão Especial de Investigação (CEI) criada para apurar denúncias de irregularidades ocorridas durante a gestão do ex-presidente da Câmara de Vereadores de Palmas, conclui ontem (23) a fase de audiência dos supostamente envolvidos nas fraudes na aquisição de produtos e contratação de serviços, que geraram um gasto de de R$ 54.170,74, no ano de 2013.

Conforme o vereador integrante da Comissão, Márcio Rafael Mergem Lima(PMDB) de todos os convocados, apenas três pessoas se negaram, incluindo o vereador denunciado, Wilmo Rodrigues Correia da Silva, também do PMDB. Lima enalteceu o trabalho dos demais integrantes da Comissão e explicou que agora deverá ser confeccionado o relatório para a sequência dos atos necessários. Garantiu, entretanto, que a população não ficará sem resposta sobre o caso.

Criada em setembro de 2014, a partir de uma decisão do juízo da Vara da Fazenda Pública da Comarca, a Comissão que além do Mergem Lima é integrada pelos vereadores Marcos Gomes (PCdoB); e Cidnei Cristian Alembrandt (PDT) reuniu mais de duas mil páginas durante o trabalho inicial de 60 dias, prorrogado recentemente por igual período. Ao todo o processo consta de cinco mil páginas.

Conforme a denúncia, que inclusive motivou uma Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa pelo Ministério Público, o então presidente autorizou a aquisição de armários e prateleiras para Câmara, sem qualquer procedimento licitatório ou de procedimento de dispensa ou inexigibilidade de licitação. E que os produtos foram adquiridos de uma empresa de comércio e transporte rodoviários. Porém durante as investigações, constatou-se que os itens foram repassados por outra empresa, esta do ramo de fabricação e vendas de móveis, que é de propriedade do próprio vereador requerido na ação. Além disso, teria contratado serviços para reformas e manutenções sem licitação e sem vínculo contratual formal