As incertezas com os recursos naturais, principalmente a água, não é novidade, mas se tornam cada vez mais necessárias frente a queda de braço entre as ações, orientações e fiscalizações contra os avanços ao meio ambiente. Essa situação é constata na região Sudoeste do Paraná e por isso um grupo da governança do Plano de Desenvolvimento Regional Integrado (PDRI) está estudando a nossa situação.

O levantamento conta com apoio de órgãos de Estado, como Sema e Sanepar, além de professores de instituições de ensino e pesquisa, entidades e associações da região. Na última reunião do PDRI, realizada no dia 6 de setembro, a coordenadora da comissão da água Sheron Caleffi, funcionária do IBGE em Pato Branco, relatou o que foi feito e o que pretendem.

Sheron adiantou que comunidade regional será convocada a discutir ações . Foto de divulgação
  • Compartilhe no Facebook

Sheron adiantou que comunidade regional será convocada a discutir ações . Foto de divulgação

“Temos feito reuniões com profissionais que atuam diretamente com água e a constatação não é boa. Além de dados que mostram queda no volume de água das nascentes, percebemos que a sociedade está inerte a essa realidade e ao futuro. Queremos envolver a comunidade regional para o debate, e por isso estamos trabalhando para obter mais dados técnicos para apresentar”, comentou Sheron, adiantando que um novo encontro deve ocorrer nos próximos dias.

Outra preocupação do grupo é com a sustentabilidade das empresas e grandes indústrias que precisam de muita água para operar. “O tema é muito relevante é por isso queremos o envolvimento de prefeituras, empresas, instituições e sociedade civil como um todo. Ainda precisamos de dados concretos, mas entendo que precisamos agir para podermos ter água de qualidade e abundante para as próximas gerações”, entende Sheron.

Turismo e desenvolvimento

A questão que envolve água vai muito além do fornecimento para o consumo humano e animal na região. A bacia hidrográfica é riquíssima tendo uma contribuição grande na economia regional, há exemplo das centrais hidrelétricas, lagos, termas e balneários. Esse potencial energético e turístico precisa ser protegido e os projetos podem ser pensados para contribuir com o desenvolvimento regional.

O diretor da Agência de Desenvolvimento Regional Celio Boneti chama atenção para um projeto que a Agencia, enquanto a IGR,  teve acesso, por meio de Jacó Gimenes,  presidente da PARANATUR que contempla em uma área que compreende um lago em seu entorno sobre a bacia do Rio Paranapanema e Itararé, entre o Paraná e São Paulo. “Denominado Angradoce que pretende revitalizar e criar uma série de infraestrutura nos municípios lindeiros oportunizando investimentos voltados ao desenvolvimento do turismo. Segundo Boneti, em diálogos iniciados com áreas do Governo estadual, há a possibilidade de se pensar um  também para nossa região, contemplando os diversos lagos que margeiam os municípios do Sudoeste”, disse.

Outro dado constatado diz respeito a perfuração de poços artesianos feitos de forma desenfreada, enquanto as proteções de fontes não ganham a mesma preocupação. Dados do Iapar mostram que na região Sudoeste do Paraná, a precipitação média não se alterou significativamente nos últimos anos (Iapar 2007), mas o consumo de água aumentou bastante. Entre 1996 e 2006, a produção de leite cresceu 132%, a de aves, 243%, e a de ovos, 429% (IBGE, 2009). Percebe-se, portanto, que a crise de abastecimento de água nos estabelecimentos da região está associada principalmente ao aumento da demanda de água e da degradação ambiental.