A partir do levantamento feito pelo Portal RBJ sobre o preço da gasolina em Palmas, sul do Paraná, que apresenta um dos valores mais elevados de toda a região, várias discussões surgiram na cidade nos últimos dias. Com base nisso, um dos proprietários de postos de combustíveis, procurou o departamento de jornalismo da Rádio Club AM para explicar alguns fatos que estão ocorrendo neste setor e que acabam tornando os preços acima da média regional.

Há mais de 40 anos no ramo, o empresário Paulo  Cambrussi, do Posto Pinheirão, salientou que há pressão para que não seja praticado preço menor na cidade. Conforme ele não se trata de cartel, mas de ações que acabam intimidando aos que pretendem vender com preço mais baixo. “ Muitas coisas que estão acontecendo em Palmas não deviam acontecer”, resumiu.

Explicou que toda vez que pretende vender por um preço mais baixo  o seu estabelecimento é taxado de vender combustível de má qualidade ou adulterado. Salientou entretanto, que o combustível é comprado de distribuidoras que servem a todos os demais postos. “Será que eu não posso fazer promoção de combustível em meu posto. Claro que posso”, questionou o comerciante mecionando ainda o fato  que em Pato Branco, por exemplo, os estabelecimentos praticam preços diferenciados, o que não ocorre em Palmas. Revelou que Palmas, que hoje tem um preço médio da gasolina em R$ 3,10 poderia estar vendendo a R$ 3,04.

Reconheceu que o valor praticado deve ser acrescimento de dois centavos em comparação com outras cidades da região, por conta dos 60 quilômetros a mais que precisam ser  percorridos pelos postos palmenses até as distribuidoras em Araucária. Ao  final da entrevista, orientou aos consumidores a denunciarem o fato ao Ministério Público e pediu providências aos promotores locais com relação a essa situação envolvendo a comercialização de combustíveis no município.