O Núcleo Imobiliário de Francisco Beltrão (Nifb), formado por nove imobiliárias, realizou a primeira reunião de 2017 na manhã desta quarta-feira, 1º de fevereiro, na Associação Empresarial (Acefb). A reunião foi conduzida pelo coordenador do Nifb, José Carlos Vieira, ex-secretário municipal de Urbanismo. Vieira informa que o núcleo setorial participará da revisão do Plano Diretor do Município, coordenada pelo arquiteto Dalcy Salvatti.

A retomada da revisão está prevista para este mês de fevereiro. “É importante que o núcleo esteja presente nas decisões do Plano Diretor. Muitos dos membros do Nifb têm experiências em outras cidades e podem apresentar boas ideias para que o Município cresça de forma organizada”, disse Vieira. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis (ITBI) e Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) também entraram na pauta de discussão. 

Crédito da foto: Darce Almeida/Assessoria
  • Compartilhe no Facebook

Crédito da foto: Darce Almeida/Assessoria

Mais ações

O Nifb planeja visita técnica a Holanda, país-referência no controle de inundações e enchentes. “A sugestão foi dita na reunião, para que nós possamos buscar soluções para as cheias em nossa cidade, buscando conhecimento fora do Brasil. Um dos países indicados foi a Holanda, que há mais de 100 anos faz o controle tanto da água doce quanto da água do mar. Naquele País, 40% do território está abaixo do nível do mar”, informa Vieira.

O coordenador reforça que para o efetivo sucesso desta ação, a participação do poder público municipal é de fundamental importância. “Acreditamos que, juntamente com o poder público municipal possamos trazer uma resposta para nossas cheias em Beltrão. Ou vamos para a Holanda com uma equipe técnica, ou eles veem para cá nos trazer esse conhecimento. Consequentemente isso vai trazer maior valorização imobiliária e tranquilidade aos moradores das regiões ribeirinhas de Beltrão”, acredita Vieira.

Loteamentos e suas encostas

Durante a reunião de quarta, foi levantada a questão da ocupação racional das encostas de morros de Francisco Beltrão. Segundo Vieira, o núcleo imobiliário é cauteloso sobre esse tema, até por conta da responsabilidade profissional de seus corretores de imóveis. “Se o corretor vende uma área passível de deslizamento e não informa adequadamente ao comprador, esse corretor pode ter problemas.  No Plano Diretor existe uma normativa que permite a utilização de determinadas áreas, mas dentro de alguns critérios. Por exemplo, na zona de restrição de ocupação, você tem lá o tamanho de lote mínimo de 2 mil metros quadrados e o máximo que pode ser ocupado é 10% dessa área. Se isso fosse seguido à risca em Francisco Beltrão, não teríamos os impactos visuais [nas encostas dos morros], além dos riscos que as pessoas que moram nestas regiões estão suscetíveis”, reflete o coordenador.

No encerramento, membros do Nifb deram as boas-vindas à equipe da Imobiliária Casaril, que passa a integrar oficialmente o núcleo setorial.