Deve ser iniciada ainda nesta semana, oficialmente, a colheita da maçã da safra em Palmas, sul do Paraná, maior produtor do Estado, que responde por mais de 30% da produção paranaense. A época é de oferta de emprego para mais de mil trabalhadores.

De acordo com o Diretor Técnico da Associação Brasileira dos Produtores de Maçã (ABPM), Ivanir Dalanhol, a produção é considerada excelente e o potencial de colheita no município está estimado em 13 mil toneladas, praticamente o mesmo volume da safra passada.

Para ele, as condições climáticas foram fundamentais para uma  boa safra e de melhor qualidade, com bom calibre e frutos livre de marcas pelo granizo.  Salientou que se as condições persistirem, até o final do ciclo de colheita em maio,  esta safra servirá para que o produtor palmense possa se recuperar dos prejuízos da safra passada, que foi fortemente influenciada pelo excesso de produto  no mercado e por erro estratégico do próprio  setor, que ao projetar uma safra menor motivou a importação do produto, reduzindo o preço ao produtor a patamares abaixo do custo de produção.

A projeção é que se colha, a partir deste dia 20,  aproximadamente duas mil toneladas de variedades precoces, principalmente a Eva. O volume maior ocorrerá a partir de 20 de janeiro quando inicia a colheita da variedade Gala, que deverá fechar em aproximadamente 5,5 mil toneladas. Já a Fuji,  que  vai do final de março até início de maio, produzirá outras 5,5 mil toneladas, aproximadamente.

Salientou  Dalanhol que apenas em Palmas serão empregados 1.200 trabalhadores, para as tarefas  que vão desde a coleta nas lavouras, classificação em diversas unidades instaladas no município, embalagem e comercialização da produção .