Na próxima semana deverá iniciar a colheita da safra 2018/2019 nos pomares de Palmas, sul do Paraná. Produtores apostam em condições climáticas favoráveis para melhoramento do calibre dos frutos. Mesmo assim, a projeção é de uma safra menor que a passada.

  • Compartilhe no Facebook

As avaliações são do Diretor Técnico da Associação Brasileira dos Produtores de Maças(ABPM) e Presidente da Cooperativa dos Campos de Palmas(COCAMPAL), Ivanir Dalanhol.  Em relação às variedades precoces, especialmente a EVA, a colheita iniciará dia 26 de dezembro nos pomares não atingidos por granizo. Essa maçã vai para consumo in natura. Naqueles em que houve o impacto, iniciará no dia 07 de janeiro, e será destinada  ao  processamento industrial. “ Além do granizo, a Eva está atrasada pela geada tardia que derrubou a fruta da primeira florada. Estamos contando com frutas só da última flor”, disse ele.

Entre o final de janeiro e  início de fevereiro, normalmente, entra no ciclo de colheita a variedade Gala e, em seguida a Fuji, que vai até o final de abril.  Este ano também deverá retardar o ciclo, entre 15 e 20 dias. Produtores projetam uma safra entre nove e dez mil toneladas entre as duas cultivares, volume entre 20 e 25% menor que da safra 2017/2018. “ Tudo vai depender do calibre da fruta. Estamos numa expectativa de um bom padrão, bem diferente do ano passado que a fruta foi muito miúda”, pontuou.

Explicou que  a  chuva dos últimos dias pode impactar positivamente no crescimento dos frutos. “A seca e o calor impedem que elas se desenvolvam. Agora, projetamos que  vai aumentar o tamanho e, consequentemente, o peso, melhorando nossa expectativa de produção e produtividade”, aposta Dalanhol.