O Colégio Estadual Quilombola Maria Joana Ferreira, de Palmas, sul do Paraná, realizou na última sexta-feira (21), o 6º Encontro da Consciência Negra. No evento, foram expostos trabalhos artísticos e culturais desenvolvidos pelos alunos da instituição durante todo o ano. Conforme a pedagoga, Maria Isabel Cabral da Silva, o encontro é um momento de interação entre escola e comunidade, para que a população possa conhecer uma parte dos trabalhos desenvolvidos pelos estudantes.

Instituições de ensino de várias cidades do sudoeste do Paraná e do oeste de Santa Catarina, visitaram a mostra e puderam acompanhar uma série de apresentações artísticas. Segundo a organização, mais de 700 pessoas passaram pela exposição. Maria Isabel destacou a participação dos alunos, que se empenham para exporem seus trabalhos no encontro.

De acordo com a pedagoga, justamente por ser um colégio quilombola, a área étnica-cultural ganha destaque dentro da matriz curricular. “Nós mostramos o negro, o indígena, todo esse povo que está na invisibilidade, nós tentamos trazer à tona e mostrar de uma maneira positiva. Porque a sociedade sempre prega e os livros didáticos sempre trazem como uma figura folclórica, mais inferiorizada, então nós procuramos trazer de uma maneira que realmente são, um povo que lutou e está para mostrar sua garra e sua força.”, destacou.

Sobre o papel do negro na sociedade atual, Maria Isabel avaliou que a comunidade, como um todo, tem se conscientizado, citando a ampla participação durante o Encontro. “Ainda existe discriminação, mas não podemos somente nos determos à isso, temos que contar as coisas boas. Tivemos escolas de várias cidades participando do evento, buscando, mostrando interesse por essa cultura. E ser negro na sociedade atual é resistir, é estar todos os dias construindo e mostrando do que somos capazes.”, finalizou.

Ouça: