por Ivan Cezar Fochzato

A demora da aprovação do novo Código Florestal brasileiro ocorre pela instrumentalização do assunto para fins eleitorais e não com a preocupação que se deveria ter. A avaliação é do deputado estadual do Paraná, Rasca Rodrigues (PV), durante entrevista à Rádio Club AM (Rede Bom Jesus de Comunicação), na última semana. “Eu fico triste quando esse debate só ocorre em tempo de eleição, porque nós não estamos tratando de um tema político, mas de uma questão técnica”, ressaltou o deputado.

Conforme o ex-diretor do IAP (Instituto Ambiental do Paraná) não estão sendo postas em discussões questões como a qualidade dos rios, as questões pluviométrica, de climatização, dos ventos. Salientou que, como na década de 60, a preocupação era com garantir lenha para gerar energia para várias atividades, atualmente estão sendo deixadas de lado questões extremamente fundamentais no Código. “O código está sendo colocado num processo eleitoral e está sendo usada a boa fé do agricultor” alertou.

Por outro lado, salientou que neste momento é fundamental se discutir não a possibilidade de ampliação de espaços para a agricultura, mas sim de melhor aproveitar ás áreas existentes para cultivo, aumentando a produção, diminuindo os desperdícios que se pratica em relação ao solo e a água.

 

Disse ele que se no futuro se for necessário ampliar as áreas agricultáveis para aumentar a produção de alimentos para alimentar a população, que seja discutido isso no futuro. “Então não precisa derrubar nada, mas  se amanhã nos precisar derrubar, vamos derrubar”. Agora, na sua avaliação, é necessário pensar em produzir mais no que já existe. Clique áudio