O estado da PRC-280, que corta o Sudoeste do Estado, saindo do entroncamento com a BR-153 na região de Palmas, no Sul do Paraná, indo até Dionísio Cerqueira, no Oeste de Santa Catarina e divisa com a Argentina, teve sua avaliação rebaixada pela Confederação Nacional dos Transportes, que realiza anualmente a Pesquisa CNT de Rodovias.

Até o ano passado, a situação da PRC-280 era considerada “regular”. Porém, no novo levantamento, divulgado na última semana, numa  extensão de 185 quilômetros, o estado geral, pavimento, sinalização e geometria da pista receberam conceito “ruim”.

  • Compartilhe no Facebook

Segundo a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (SEIL), nos próximos dias serão iniciados trabalhos de remendos descontínuos das pistas danificadas. Em nota encaminhada ao RBJ ainda no mês de setembro, a pasta informava que “as equipes estão sendo mobilizadas para iniciar os trabalhos de remendos profundos neste trecho da rodovia até a próxima semana, num total de 62,5 quilômetros de extensão. A projeção é de que os trabalhos durem até o mês de dezembro”.

Diante da realidade enfrentada por usuários da rodovia, entidades representativas da região Sudoeste do Paraná, aproveitando o período eleitoral, lançaram uma nova campanha, pedindo providências do governo estadual quanto a situação da PRC-280. A iniciativa, liderada pelo Instituto Regional de Desenvolvimento Econômico e Social (Irdes), Amsop (Assciação dos Municípios do Sudoeste do Paraná), Acamsop (Associação das Câmaras Municipais do Sudoeste), Agência de Desenvolvimento Regional, Cacispar, Grupo Gestor do Território do Sudoeste e Fadep (Faculdade de Pato Branco), tem como tema “SOS Rodovias do Sudoeste”, reivindicando solução imediata para os problemas da PRC-280 e outras rodovias da região.

Projetada embrionariamente no segundo governo de Moysés Lupion (1956 – 1961) com a denominação de “Rodovia do Trigo”, ligando Curitiba, Araucária, Lapa, São Mateus do Sul, União da Vitória, Palmas, Clevelândia, Pato Branco, Barracão até Medianeira, a PRC-280, é a principal via de ligação entre Oeste, Sudoeste e Capital do Estado.

Conforme matéria veiculada pela Revista Olhar Diocesano, na edição de outubro de 2015, que contou parte da história da rodovia, em julho de 1975, em visita ao município de Palmas, o então governador Jayme Canet Júnior anunciava o Programa Rodoviário do Sudoeste, que previa até o ano de 1979, a pavimentação do trecho entre Palmas e Pato Branco e de mais de 500 quilômetros de estradas na região. No ano seguinte, durante os festejos dos 97 anos de emancipação político-administrativa do município, o Governador anunciava o inicio oficial das obras da rodovia.

Dois anos depois, no dia 14 de abril de 1978, com a presença do governador, secretários de Estado, deputados estaduais e população em geral, era inaugurado o primeiro trecho da PR-280, ligando Palmas ao distrito de Santa Rita, interligado à BR-153. No mês de novembro, o governo anunciava a conclusão do trecho entre Palmas e Pato Branco. Passados quase 40 anos, a PRC-280 ainda é a mesma construída no governo Canet.

Em dezembro de 2016, a Casa Civil do Estado promoveu audiências públicas na região, para tratar do processo de concessão da PRC-280. O estudo mostrou que o investimento na modernização da rodovia é de R$ 3,3 bilhões e deve ampliar em 40% a capacidade de tráfego da rodovia, que hoje tem fluxo médio de 7 mil veículos, sendo 20% caminhões. Entre as obras previstas estavam 109 quilômetros de terceiras-faixas e intercessões em acessos a várias cidades ao longo da rodovia.

Naquele mesmo mês, porém, o governador Beto Richa, durante passagem pela região, anunciou a suspensão dos estudos de privatização da estrada, justificando que a pausa nos trabalhos serviria para que o DER (Departamento de Estradas de Rodagem) estudasse as propostas apresentadas durante as audiências públicas.

Já no mês de fevereiro de 2017, em ofício encaminhado ao Governo do Paraná, a Associação dos Municípios do Sudoeste (Amsop) pediu a sequência do processo de concessão da PRC-280. No documento, a entidade reivindicava “a abertura do edital de concessão ainda no primeiro semestre de 2017”, diante “da importância que o Corredor Sudoeste representa para o desenvolvimento da região”.

No mês de junho de 2017, o então diretor-geral do DER, Nelson Leal Júnior, afirmou que o Departamento pretendia realizar um aporte financeiro significativo, antes de repassar a rodovia à iniciativa privada, como forma de baixar os custos de pedágio. Informou que a proposta de duplicação entre Pato Branco e Francisco Beltrão estava sendo estudada e deveria voltar a ser discutida com a população regional em uma nova rodada de audiência públicas.

Eleito governador no pleito deste ano, Ratinho Jr recebeu, durante a campanha eleitoral, a Carta do Sudoeste e defendeu a realização de uma PPP (Parceria público privada) para a modernização da PRC-280, mas sem entrar em detalhes sobre a forma que seria empregado esse modelo, prometendo apenas a convocação da sociedade, logo no inicio de seu governo, para a discussão da melhor forma de suprir as necessidades da região com relação à rodovia.