A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) realiza entre os dias 20 e 22 deste mês, em conjunto com a VI Jornada Interdisciplinar de Pesquisa em Teologia e Humanidades (JOINTH), da PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná), o Seminário da Comissão de Bioética da CNBB.

O evento dirigido principalmente a docentes de teologia e bioética, pós-graduandos de teologia e bioética e profissionais das áreas de ciências da saúde, jurídicas, sociais e humanas e a Agentes das comissões estaduais e regionais de vida e família e Pastoral Familiar, terá como tema principal o 20º aniversário da encíclica Evangelium Vitae, do papa João Paulo II.

O documento reforçou o ensinamento católico no campo da bioética, além de tratar de novos desafios éticos que começavam a aparecer naquela época. A encíclica e o conceito de dignidade humana são os temas da maioria dos artigos, exposições e apresentações que ocorrerão ao longo dos três dias de evento.

No hall de palestrantes, estão convidados nacionais e internacionais, como o padre italiano Livio Melina, presidente do Pontifício Instituto João Paulo II para Estudos sobre Matrimônio e Família, de Roma, e o cardeal holandês Willem Eijk, que, além de arcebispo de Utrecht, é médico e membro da Pontifícia Academia para a Vida.

O custo de inscrição é R$ 50, sendo necessário realizar um cadastro no site da CNBB. O preço cobre apenas a participação no seminário. Custos, como transporte e hospedagem, ficam por conta do participante.

Bioética

A Bioética é um ramo da Biologia que surgiu na década de 1970 com o avanço das pesquisas genéticas. Está relacionada de forma transdiciplinar com a Biologia, o Direito, a Ética, a Medicina e questões religiosas. O seu objetivo visa discutir limites e parâmetros éticos e morais para o avanço das pesquisas científicas, abordand temas como pesquisas com células-tronco, clonagem, fertilização artificial (in vitro), aborto, Eutanásia, produção de transgênicos, ética médica e científica, transplante de órgãos, tratamentos da dor, doação de órgãos, uso de drogas ilícitas em tratamentos médicos, Engenharia genética humana, relações médico-paciente, vida artificial, entre outros.

O termo bioética foi usado pela primeira vez pelo filósofo, teólogo e educador alemão Fritz Jahr. Em 1927, ele usou o termo bio-ethik num artigo em que falava sobre as relações entre os seres humanos, plantas e animais. Fonte:Toda Biologia