Será realizado no dia 07 de Dezembro,  às 19h00, no Centro de Eventos em Clevelândia, Sudoeste do Paraná, o lº Encontro de Conscientização ao Dia Internacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Na programação constam  minicurso e apresentações de teatro e documentário. A promoção é da Faculdade Municipal de Educação e Meio Ambiente – FAMA, através do Núcleo de Pesquisa e Extensão da Instituição.

Na abertura, será apresentada a peça teatral Jurema em Apuros por estudantes do 8º período do Curso de Pedagogia da Instituição e o documentário Violência Doméstica: cenas cotidianas; produzido pelo Núcleo de Apoio Jurídico e Educativo para Mulheres em Francisco Beltrão.

O minicurso “Violência contra as Mulheres” será ministrado pela profª Franciele Lorenzi da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE/Campus Francisco Beltrão e pela Assistente Social, Elane Rebello,  do Centro de Referência da Assistência Social – CRAS de Clevelândia/PR. O evento é  gratuito e aberto à população, sendo que estudantes estarão recebendo certificação de participação com 4 horas.

O Dia Internacional para a não-Violência Contra as Mulheres é comemorado anualmente em 25 de novembro. A data tem o objetivo de alertar a sociedade sobre os casos de violência e maus tratos contra as mulheres. A violência física, psicológica e o assédio sexual são alguns exemplos desses maus tratos. De acordo com as estatísticas, uma em cada três mulheres sofre de violência doméstica. A violência contra a mulher é uma questão social e de saúde pública, não distingue cor, classe econômica ou social, está presente em todo o mundo.

A Organização das Nações Unidas (ONU), desde 1999 reconhece  a data  que surgiu em decorrência do Dia Latino-americano de Não Violência Contra a Mulher, que foi criada durante o Primeiro Encontro Feminista Latino-Americano e Caribenho de 1981, realizado em Bogotá, Colômbia, comemorado em 25 de novembro, em homenagem às irmãs Pátria, Maria Tereza e Minerva Maribal, que foram violentamente torturadas e assassinadas nesta mesma data, em 1960, a mando do ditador da República Dominicana Rafael Trujillo. As irmãs eram conhecidas por “Las Mariposas” e lutavam por soluções para os diversos problemas sociais de seu país, a República Dominicana.