Foram aproximadamente 40 minutos de chuva, mas o suficiente para acumular prejuízos a dezenas de famílias de Francisco Beltrão. Na noite desta quinta-feira (26) residências foram alagadas por água e lama em vários bairros da cidade. De acordo com a Defesa Civil, em menos de uma hora choveu cerca de 100 milímetros na cidade.

No Bairro São Miguel, nas Ruas Marechal Hermes da Fonseca e Getúlio Vargas, muros foram derrubados e agua tomou conta das residências danificado móveis, eletrodomésticos e gêneros de alimentícios. Mesma situação foi verificada no Bairro São Francisco e Cristo Rei, que ficam nas proximidades. Moradores culpam a prefeitura pelos transtornos. Segundo eles, um tanque de contenção construído num morro não teria suportado a vazão da água e transbordou causado todo o problema.

Os atingidos passaram a noite e ainda durante a manhã desta sexta-feira (27) tentam limpar as casas e recuperar os móveis, mas em alguns casos tudo foi danificado por completo. Na Rua marechal Hermes da Fonseca, fogões a gás, geladeiras, estantes, guarda-roupas e outros objetos destruídos pela água foram depositados no meio da rua como forma de protesto. Os moradores do local contam que é a segunda vez que perdem praticamente tudo por conta de alagamentos e querem uma ajuda da prefeitura. Alguns sugerem que a cobrança de impostos, como o IPTU, seja isentada no início de 2016 para que possam se recuperar dos prejuízos com mais facilidade.

Também foram registrados e alagamentos nos Bairros Industrial, Miniguaçu, Vila Nova, Cantelmo, Jardim Itália I e II, Jardim Floresta, Pinheirinho, Pinheirão e ainda em algumas comunidades do interior. No Cantelmo, na Rua São Cristóvão a lama e a água invadiram casas e os moradores foram obrigados a abandonar o local durante a madrugada. Uma moradora do local declarou à Rádio Onda Sul FM que a água chegou a uma altura de um metro dentro de sua residência e, até mesmo, gêneros alimentícios se perderam. Os moradores dessa rua culpam a prefeitura pelo ocorrido.

Segundo eles, recentemente foi feita a limpeza da rua e o lixo ficou no local entupindo “bocas de lobo” e bueiros. Com isso, a água e a lama invadiram as residências. No Bairro Pinheirão, que fica nas proximidades, além da água, o granizo também causou prejuízos aos moradores. Em algumas residências a cobertura foi danificada por completo, obrigado as famílias afetadas a solicitar ajuda da Defesa Civil, que providenciou lonas plásticas para minimizar os problemas.

Na área central da cidade também foram constatados pela Defesa Civil. Nos fundos do 16º Esquadrão de Cavalaria Mecanizado, parte do muro cedeu e acabou caindo. Na mesma rua, nos fundos de um edifício, também foi registrada a queda de um muro. Apesar dos danos, ninguém se feriu. Na Avenida Silvio Barbieri, no Bairro Guanabara, a água de um açude transbordou e várias casas e estabelecimentos foram alagadas. Uma pista da Avenida também ficou debaixo d’ água. O excesso de terra que desceu das encostas acabou entupindo os bueiros, causando o problema.

Equipes da prefeitura trabalham em todos os bairros fazendo a limpeza das ruas e, na medida do possível, atendendo moradores que tiveram as casas alagadas e danificadas. Várias equipes estão mobilizadas para prestar atendimento em auxilio à Defesa Civil Municipal.

Ouça as entrevistas feitas durante a madrugada pela reportagem da Onda Sul FM:

Fotos: Evandro Artuzi/RBJ e divulgação WhatsApp