O aparecimento de cobras venenosas em nossa região está cada vez mais comum em áreas urbanas. No fim da tarde desta segunda-feira (3) o comunicador da Extra FM, João Eduardo Gomes, se deparou com uma Cascavel. A serpente foi vista no bosque que fica próximo da igreja e do centro comunitário do Bairro São José.

De acordo com relato do comunicador, ele estava caminhando no local com seu cão quando se deparou com a serpente. João Eduardo fez um vídeo com intuito de alertar moradores do bairro e demais pessoas que se utilizam do bosque quanto ao perigo de ser atacado.

Picada pode ser fatal 

A picada da Cascavel pode ser fatal, caso não tratada imediatamente. Recentemente um jardineiro foi atacado em Ampére, no Sudoeste, e morreu. O homem, de 61 anos, demorou a buscar atendimento e o veneno se espalhou pelo corpo. Ele ficou dois dias internado no Hospital Regional de Francisco Beltrão e não resistiu.

Sobre a Cascavel 

Cascavel ou cobra Cascavel é o nome genérico dado às cobras peçonhentas dos géneros Crotalus e Sistrurus. As cascavéis possuem um chocalho característico na cauda, e estão presentes em todo o continente americano. Geralmente, refere-se mais especificamente à espécie Crotalus durissus, cuja área de distribuição se estende do México à Argentina. A cascavel, por razões não bem entendidas, em vez de sair completamente de sua pele antiga, mantém parte dela enrolada na cauda em forma de um anel cinzento grosseiro. Com o correr dos anos, estes pedaços de epiderme ressecados formam os guizos que, quando o animal vibra a cauda, balançam e causam o ruído característico.

Embora no conceito popular o número de anéis do guizo às vezes é interpretado como correspondente à idade desta cobra, isto não é correto, pois no máximo poderia indicar o número de trocas de pele. A finalidade do som produzido pelo guizo é de advertir a sua presença e espantar os animais de grande porte que lhe poderiam fazer mal. É uma ótima possibilidade de evitar o confronto. As cascavéis alimentam-se principalmente de pequenos roedores, mas podem fazer uso de seu veneno para fazerem outras vítimas, como pequenas aves, coelhos, lagartos, e, eventualmente, outras serpentes. Apesar de serem vistas durante o dia, predominam os hábitos crepuscular e noturno. Seu corpo possui entre 1,5 a 2 metros de comprimento e a fêmea, na fase adulta, gera entre 18 á 30 filhotes em cada gestação.

Imagens: João Eduardo Gomes/ Extra FM