A Comissão Especial de Investigação (CEI) da Câmara Municipal de Palmas, centro sul do Paraná, aberta em setembro do ano passado, para apurar denúncias de irregularidades cometidas durante a gestão do ex-presidente da Casa, Wilmo Rodrigues Correia da Silva (PMDB) ganhou mais 60 dias para concluir o seu relatório final. A instauração da CEI ocorreu a partir de uma decisão do juízo da Vara da Fazenda Pública da Comarca local.

A Comissão integrada pelos vereadores Marcos Gomes (PCdoB); Márcio Rafael Mergem Lima (PMDB) e Cidnei Cristian Alembrandt (PDT) teve um prazo inicial de 60 dias para realizar a investigação e apresentar o relatório sobre supostas fraudes na contratação de serviços sem licitação e sem contrato, que geraram um gasto de R$ 54.170,74.

Conforme membros da Comissão, o requerimento de ampliação do prazo de vigência da chamada “CEI do Wilmo” se faz necessário devido à complexidade no processo. Ao justificar o pedido o relator vereador, Marcio Margem Lima, destacou que somente a parte do processo com a denúncia conta com aproximadamente duas mil páginas, mas com os materiais e documentos colhidos durante o trabalho deverá chegar próximo de cinco mil.

Garantiu Lima que o procedimento de apuração das denúncias terá resultado. “Não vai acabar em pizza como estão dizendo”, garantiu o relator. O vereador Marcos Gomes justificou que mesmo com o novo prazo de 60 dias aprovado pelos demais membros da casa, a Comissão não deverá usar todo o tempo cedido. “Mais do que todos temos pressa em concluir as investigações e apresentar o relatório, mas não podemos cometer injustiças pela falta de uma investigação minuciosa e adequada”, explicou o vereador.