Na última quinta-feira (01), a 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná determinou, com base na denúncia apresentada pelo Ministério Público do Paraná, o início do processo criminal contra o prefeito de Chopinzinho, Leomar Bolzani. Ele é acusado de ter encomendado a execução do procurador do Município, ocorrida em março deste ano. Na mesma decisão, o Tribunal manteve a prisão preventiva do prefeito, além de determinar seu afastamento do exercício da função.

O procurador da prefeitura de Chopinzinho foi executado em março deste ano, na garagem do prédio em que residia. Ele foi atingido por diversos disparos de revólver calibre 38. Segundo as investigações, a execução do crime, contratada pelo prefeito, teria sido feita por um grupo de seis pessoas, que irão a júri popular. A motivação do crime seria denúncias anônimas, supostamente feitas pelo procurador e relacionadas a atos de improbidade administrativa e de gestão ilegal do dinheiro público pelo prefeito.

Dentro do processo que tramita na 2ª Câmara Criminal, agora as testemunhas do caso começarão a ser ouvidas e, na sequência, será interrogado o prefeito acusado. Enquanto não renunciar ou for cassado, o caso será julgado pelo Tribunal de Justiça, isso em razão do cargo ocupado pelo processado. Nesta hipótese não há julgamento pelo Tribunal do júri, mas sim, após ser colhida a prova, os desembargadores decidem em conjunto se absolvem ou condenam o prefeito municipal.