Plenário da Câmara de Vereadores ficou lotado. Foto: Alexandre Baggio
  • Compartilhe no Facebook

Plenário da Câmara de Vereadores ficou lotado. Foto: Alexandre Baggio

A votação de cassação do mandato do vereador Carlinhos Turatto (PP), de Dois Vizinhos, acusado de atos ilícitos contra o Sistema Único de Saúde (SUS) enquanto exerceu o cargo de secretário municipal de saúde terminou em pizza na noite desta segunda-feira (14). Com o plenário lotado, os vereadores mantiveram Turatto no cargo.

Para ser cassado eram necessários oito votos, mas apenas cinco vereadores se manifestaram favoráveis. Três votaram contra a cassação e o processo foi arquivado pela presidência da Câmara de Dois Vizinhos. O outro vereador envolvido no escândalo do SUS, José Carlos Ventura (PSDB), teve o processo arquivado ainda durante as investigações feitas pela Comissão Especial formada pelos vereadores Ezequias Hein, Skubi (presidente), José Carlos Correa dos Santos, professor Juca (relator); e Dirsio Ferreira da Silva, professor Bolinha (Secretário).

Com a decisão de arquivamento do processo de José Carlos e agora de Carlinhos Turatto, a decisão compete unicamente à justiça, uma vez que os dois vereadores já foram condenados pelo Poder Judiciário, que atendeu denúncias feitas pelo Ministério Público. Carlinhos Turatto foi condenado há 26 anos de prisão em regime fechado e José Carlos há pouco mais de 5 anos.

Em entrevista à Onda Sul FM na manhã desta terça-feira (15), o presidente da Câmara de Vereadores, Gelson Lindner (PMDB), disse que o regimento interno foi cumprido. Questionado se houve algum tipo de favorecimento à Turatto pelo fato de membros da comissão serem do mesmo partido (PP), declarou que isso jamais aconteceu. “A parte que cabe a Câmara de Vereadores foi feita dentro do que determina o regimento interno, agora é a justiça que vai decidir o que acontece com os dois vereadores, que já forma condenados”, declarou.